Rússia tornou-se no maior abastecedor de petróleo de Portugal

País ultrapassou Angola nas importações e assumiu a liderança pela primeira vez. Este ano, compras à Rússia já superaram importações de todos os países da OPEP.

Foto
Reuters/Sergei Karpukhin

Nos primeiros cinco meses do ano, Portugal pagou 527 milhões de euros em troca de petróleo produzido na Rússia, um aumento de mais de 500% face ao mesmo período de 2016 (e 91% do total comprado a este país).

O facto torna-se mais interessante quando se verifica que a Rússia ultrapassou Angola e colocou-se como o principal abastecedor de crude. A tendência vinha já a desenhar-se desde o ano passado, com destaque para o segundo semestre de 2016.

Aliás, entre Janeiro e Abril deste ano, Portugal comprou mais petróleo ao país liderado por Vladimir Putin do que a todos os países reunidos na OPEP (da qual Angola é um dos 14 membros). De acordo com os dados disponibilizados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), Portugal importou deste conjunto de países bens avaliados em 491 milhões de euros nos primeiros cinco meses do ano.

Na base desta mudança está a estratégia comercial da Galp Energia, já que é a petrolífera, dona de duas refinarias (Sines e Matosinhos), quem dita o ritmo das compras de crude (e da venda de combustíveis).

Contactada, a empresa liderada por Carlos Gomes da Silva afirmou apenas que “adquire as matérias-primas de que necessita para o aprovisionamento das suas refinarias – e do país – de acordo com as oportunidades proporcionadas pelo mercado a cada momento”. Ou seja, a Rússia tem sido o país produtor que oferece melhores condições em termos de preço/qualidade. Enquanto maior produtor do mundo, e com a predominância do uso de gás ao nível doméstico, a Rússia destina cerca de 75% do seu petróleo para vender ao estrangeiro, com destaque para a Europa.

O movimento junto da Rússia, que começou no ano passado, colocou um ponto final a um ciclo iniciado em 2011, e que deu então a Angola a primazia no abastecimento a Portugal (em 2013, antes de descida de preço do petróleo, Portugal comprou 4351 milhões de euros de hidrocarbonetos a Angola). Antes disso, era a Nigéria quem vendia mais petróleo a Portugal, conforme atestam os dados da Direcção Geral de Energia e Geologia (DGEG).

PÚBLICO -
Aumentar

É, aliás, Angola quem está a sofrer mais com o posicionamento russo no mercado. Nos primeiros cincos meses do ano, as importações de bens angolanos (onde o petróleo representa quase 100%) foram de 64 milhões de euros, valor que representa uma quebra de 75% em termos homólogos.

Com as exportações para este mercado a recuperar, o saldo comercial voltou a subir e ficou positivo em mais de 500 milhões de euros no período em análise. No sentido contrário, com a transferência de compras, o saldo com a Rússia agravou-se, ficando negativo em 526 milhões.

Aqui, há que ter em conta o facto de Moscovo ter proibido a entrada de produtos como a carne de porco e fruta de países ocidentais (com impacto em Portugal), retaliando após a aplicação de sanções à Rússia devido à crise ucraniana e à intervenção de Putin. De resto, verifica-se também uma conjuntura de maior volume de compras à Arábia Saudita, mas numa escala bem menor: mais 79%, para 211 milhões.

PÚBLICO -
Aumentar

Para Rui Mayer, sócio da Cuatrecasas, Gonçalves Pereira, responsável pela área energética, a Galp está a “jogar no diferencial” entre o valor do crude que compra e o valor económico dos produtos que pode extrair dele, “de forma a maximizar a margem de refinação”. Recordando que a Galp apostou recentemente na reconversão das refinarias, ese especialista no sector nota que a empresa tem agora a capacidade de obter, mesmo das variantes “mais pesadas de crude, que têm mais enxofre e são mais baratas”, produtos com um valor económico mais elevado. E, no caso da Rússia, este país tem as duas variedades.

Num mercado em que “as condições de concorrência são ferozes e em que as transacções muitas vezes se decidem por cêntimos”, as petrolíferas vão jogando com todas as variáveis, diz Rui Mayer. Por isso, alerta, “não é obrigatório” que a Rússia vá manter este lugar cimeiro nas importações de crude.

À boleia dos preços

De acordo com os dados da DGEG, a factura energética no ano passado desceu 18% para 5123 milhões de euros, mas as toneladas de petróleo por refinar subiu 2,6%, para 14.219 mil toneladas. Ou seja, a economia portuguesa continua a beneficiar da baixa dos preços do petróleo, mas sem diminuir a sua dependência do exterior.

Segundo a DGEG, no ano passado a cotação média do barril de Brent atingiu, “pela primeira vez desde 2004”, um valor abaixo dos 50 dólares, situando-se nos 43,55 dólares. Nesse período, o custo médio do petróleo com origem na Rússia, onde despontam empresas como a Rosneft e a Lukoil, foi superior ao de Angola (319 e 300 dólares por tonelada, respectivamente).