Habitantes da Mouraria organizam sardinhada para alertar para despejos

Moradores de um prédio da Rua dos Lagares, que receberam cartas de despejo, prometem lutar para se manterem no bairro.

Foto
Daniel Rocha

As dezasseis famílias de um prédio da Mouraria que receberam cartas com ordem de saída prometem lutar para se manterem nas suas casas, recentemente compradas por um fundo imobiliário. Nos últimos dias, os moradores do edifício criaram uma página de sensibilização no Facebook e já marcaram o primeiro evento: uma sardinhada solidária na noite de Santo António.

Em Fevereiro, tal como o PÚBLICO contou, vários habitantes do número 25 da Rua dos Lagares começaram a receber cartas a informá-los de que teriam de se ir embora entre o Verão deste ano e o fim de 2018. Numa reunião pública da Câmara Municipal de Lisboa, alguns deles ouviram o vereador do Urbanismo dizer que essas cartas não tinham validade porque, apesar de o prédio ter sido vendido, a escritura ainda não estava feita.

A escritura, entretanto, já foi feita. E os moradores receberam novas cartas a confirmar o que já temiam: têm mesmo de se ir embora. "Ninguém quer saber de nós porque tudo é negócio", disse Carla Pinheiro, uma das afectadas, na reunião da assembleia municipal desta semana. A moradora garantiu que os inquilinos – a maioria deles vive há décadas no edifício – pagam rendas “entre os 250 e os 400 euros".

E, acrescentou, não têm capacidade para mais. "Só temos uma solução, ir viver na rua, pois não podemos suportar as rendas que hoje se praticam", afirmou Carla Pinheiro. Outra habitante do prédio, Alessandra Esposito, avisou que "se não forem tomadas medidas, teremos um bairro fantasma, onde a miséria será a única atracção".

Para contrariar essa potencial realidade, os habitantes do prédio penduraram tarjas nas varandas onde reivindicam continuar a viver na Mouraria, pedindo à câmara que os ajude. “Mouraria contra os despejos. A câmara tem casas, tem solução”, lê-se num dos cartazes. “Não queremos ser despejados da Mouraria”, diz outro.

Esta semana foi criada a página de Facebook “O bairro para os moradores: coração alfacinha”, que visa divulgar as acções de luta dos habitantes. A primeira é na segunda-feira, véspera de Santo António. Trata-se de uma “sardinhada de sensibilização sobre o despejo dos moradores do prédio”.