Três dos 15 arguidos do processo BPN foram absolvidos

Ministério Público pediu uma pena de prisão de 13 a 16 anos para o antigo banqueiro.

Fotogaleria
O ex-presidente do BPN foi ouvido pelo Parlamento em 2009 Daniel Rocha/Arquivo
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio

Os juízes do processo principal do caso BPN absolveram três dos 15 arguídos do processo. Os arguidos Ricardo Oliveira, Filipe Baião Nascimento e Hernâni Ferreira ficam assim livres dos crimes de que eram acusados pelo Ministério Público.

A sentença está a ser proferida esta quarta-feira no Campus de Justiça, em Lisboa. O antigo banqueiro está ausente por questões de saúde: segundo o seu advogado, foi internado e sujeito a intervenção cirúrgica no dia 10 de Maio.

A leitura dos factos provados, que comprova várias das acusações, estava ainda a decorrer após o meio-dia, e a sessão deverá prolongar-se durante a tarde, com o juiz Luís Ribeiro a enunciar várias ilicitudes praticadas por Oliveira Costa e outros arguidos, como o uso, ocultado, de sociedades offshore para benefícios económicos próprios.

No início da sessão, o juiz afirmou que tinha já prescrito a acusação de crime de aquisição ilícita de acções, já que tinham passado mais de seis anos desde o seu acontecimento.

Confirmando-se as condenações, os arguidos podem depois recorrer para o Tribunal da Relação. 

O Ministério Público tinha pedido ao tribunal para decretar penas de prisão para 14 dos 16 arguidos que constavam na pronúncia de acusação, com destaque para a pena de prisão entre os 13 e os 16 anos solicitada para o ex-presidente José Oliveira Costa, líder do grupo BPN/SLN, hoje com 81 anos. As acusações assentavam nos crimes de abuso de confiança, burla qualificada, falsificação de documentos, branqueamento de capitais, infidelidade, aquisição ilícita de acções e fraude fiscal.

Depois de o banco ter sido nacionalizado em 2008, o julgamento de processo teve início em Dezembro de 2010. Desde então, realizaram-se, segundo a Lusa, cerca de 500 sessões de julgamento, em que foram ouvidas mais de 170 testemunhas, algumas ao longo de meses. Inicialmente, o colectivo de juízes, presidido por Luís Ribeiro, tinha marcado a leitura do acórdão 28 de Abril, mas a sessão acabou ser adiada, remarcando-se a leitura da decisão sobre penas para esta quarta-feira.