Envergonhem-se

O que fez afinal Macron assim de tão grave para justificar o medo da esquerda portuguesa?

O Bloco e o PCP andam de cabeça perdida nas eleições francesas. Tergiversam, ficam-se pelo “talvez, mas” quando se discute o apoio a Emmanuel Macron na segunda volta. Se pudessem, emigravam. Quando em causa está a urgência em derrotar o espantalho fascizante que paira sobre a França e a Europa, a esquerda mais à esquerda de Portugal decide desertar. E, pior ainda, ambos sucumbem à mais aberrante hipocrisia para explicar a sua deserção. Dois partidos de mão dada com um governo que apresenta um pacto de estabilidade financeiramente tão ortodoxo que até aponta para o superavit orçamental não podem recusar o apoio a Macron por ele ser alegadamente o expoente máximo da austeridade que condena os povos; dois partidos de mão dada com um governo que se recusa rever as leis laborais impostas pela troika não podem assobiar para o lado porque Macron é o “candidato ultraliberal ligado aos interesses do capital financeiro”.

O que fez afinal Macron assim de tão grave para justificar o medo da esquerda portuguesa em assumir que, entre um putativo “escroque” e uma certificada “fascista” não há margem de erro possível? Será que ter promovido uma lei que aumenta o número de dias de trabalho ao domingo de cinco para 12 o torna um crápula assim tão odioso? Querer pôr a legislação laboral francesa ao nível europeu torna-o assim tão diferente de Mário Centeno ou de António Costa? Querer turmas mais pequenas nas escolas de bairros problemáticos, premiar empresas que empreguem jovens desses bairros ou conceder um suplemento salarial e isenções de contribuições sociais aos trabalhadores mais pobres colocam-no assim tão perto de Marine Le Pen?

Percebe-se e recomenda-se que um partido como o PCP ou como o Bloco não gostem de Macron e que o combatam. Já não se percebe nem se aceita que não o defendam quando, por decisão soberana dos eleitores franceses, ele foi escolhido para enfrentar a extrema-direita numa luta crucial para a democracia na Europa. E percebe-se e aceita-se ainda menos, porque a sua omissão se baseia no asco contra uma suposta ortodoxia liberal em França que, por linhas travessas, apoiam em Portugal. Entre a surpresa dos crédulos e alguma perplexidade dos enganados, talvez o Bloco e o PCP digam mais o que são quando falam de Macron, da Rússia ou da Coreia do Norte do que quando falam do Orçamento do Estado. Sim, claro, pois, Le Pen é o fascismo, a repressão, o racismo, a supressão de direitos. Mas Macron é o “centrão”, a União Europeia do espúrio liberalismo económico, da horrível globalização, da endemoninhada elite financeira. Quando se chega a comparar as duas frentes de combate na França de hoje, quando se lamenta o mal menor e não se aponta o mal maior, está quase tudo dito. 

À escala europeia, a extrema-direita e a extrema-esquerda alimentam-se da mesma necrofagia. Exaltam-se ao olhar para a Europa como quem olha para um cadáver em decomposição. A democracia liberal, a livre iniciativa, a livre escolha, os consensos sociais-democratas ou democratas-cristãos, ou, para regressar ao jargão dos anos de 1930, a democracia burguesa são, como sempre foram, os seus inimigos figadais. Mais do que o alcance das reformas liberalizantes (que em França foram ligeiras), mais do que as políticas ditas "de austeridade", a corrosão do centro político que construiu a Europa e projectou o seu modelo social é uma dádiva para as políticas “patrióticas e de esquerda”. É desse esgotamento que se alimentam, é as suas fendas que espreitam para singrar. Onde há uma erosão cataclísmica dos partidos tradicionais, como em Espanha, Holanda ou França, os Mélenchon ou as Le Pen desta vida crescem exponencialmente.

Quando, após as legislativas, destacados militantes do PS se empenharam em afrontar as “posições conjuntas” com o Bloco e o PCP que garantiram a governabilidade a António Costa, fizeram-no porque suspeitaram que o historicismo das suas ideologias e das suas práticas políticas jamais se poderia colar a um programa de esquerda democrática, europeísta e fiscalmente responsável. Enganaram-se, porque a invocação dos dogmas de outrora já não se manifesta na análise à praxis do Governo, mas no simbolismo das datas ou na ambiguidade face a combates políticos como o que se trava em França. O Bloco pode tolerar um governo que vai muito para lá das exigências europeias em termos do défice; mas jamais poderia dar a mão a Macron em nome do “apoio àquelas políticas que têm sido defendidas por sectores da esquerda portuguesa, como Francisco Assis ou Rui Tavares”, como observou José Gusmão, dirigente bloquista.

Para a esquerda inspirada no humanismo europeu, nos direitos civis e democráticos fundamentais, que rejeitam o racismo, a supremacia nacionalista baseada em fronteiras excludentes, haver um segundo que seja de hesitação em apoiar Macron contra essa figura sinistra que é a senhora Le Pen inspira indignação e revolta. E só legitima alguma tolerância para um governo que tem o apoio de gente assim porque temos a prova provada de que o Bloco e o PCP são hoje meros figurantes da política de esquerda moderada que o PS protagoniza. Talvez Jerónimo e Catarina se resignem a esse papel por se reverem no papel da Frente Popular em França, em 1936, criada para se evitar uma vitória nacionalista como a que Hitler obteve quatro anos antes à boleia de leituras dogmáticas como as que hoje a extrema-esquerda nacional faz. Claro que por cá não temos um esboço do ditador nem sequer um extremista como Charles Maurras. Mas temos Passos Coelho, esse perigoso seguidor da ortodoxia do FMI, de Bruxelas e de Frankfurt.

Generalizar a todos os militantes do Bloco e do PCP esta atitude hesitante é injusto e perigoso – a maioria não terá seguramente problemas em aceitar que a lógica do mal menor é intrinsecamente um dilema democrático, imperativo e recorrente, como muito bem esclareceu Jorge Costa, dirigente do Bloco. Suspeitar que Jerónimo e Catarina escondem um secreto desejo na vitória de Le Pen é também tão improvável como inconcebível. Mas resumir a questão ao simples enunciado de que “os eleitores da esquerda quiseram derrotar as ideias de Marine Le Pen na primeira volta e saberão contribuir para a derrotar na segunda volta”, sem dizer, olhos nos olhos, que Macron é hoje o antídoto que nos resta contra o vírus fascizante que cresce em França é uma hipocrisia moral e uma vileza política para quem se reclama de esquerda – porque hesitar num momento destes, quando à nossa frente está uma opção tão clara, obriga-nos a regressar à herança histórica de uma Europa cheia de demónios tantas vezes germinados em vazios como este. Por isso, o tacticismo do Bloco e do PCP é uma nódoa. Uma vergonha.