Polícia francesa prende três familiares do autor do atentado em Paris

Indivíduo que as autoridades belgas tinham sinalizado com possíveis ligações ao atentado entregou-se em Antuérpia.

 REUTERS/Christian Hartmann
Foto
REUTERS/Christian Hartmann

A polícia francesa anunciou nesta sexta-feira de manhã a detenção de três familiares do homem responsável pelo ataque em Paris, e que acabou por morrer. A informação foi avançada pela Reuters, que cita uma fonte judicial.

Ao mesmo tempo, a agência de notícias belga, citada pela Reuters, avança que que se entregou à polícia de Antuérpia um indivíduo que as forças policiais belgas tinham como estando ligado ao atentado de quinta-feira, na capital francesa e que provocou a morte de um polícia. Outros dois agentes ficaram gravemente feridos, na sequência desse tiroteio, que teve lugar nos Campos Elísios, e cuja autoria já foi reivindicada pelo Daesh. A identidade do autor do atentado ainda não foi divulgada.

O atentado aconteceu a três dias da primeira volta das eleições presidenciais, e coloca ainda mais a segurança no centro do debate. A candidata da extrema-direita, Marine Le Pen, líder da Frente Nacional, reagiu a mais este episódio violento reiterando a proposta de fecho “imediato” das fronteiras e de controlo de entradas, bem como a expulsão de todos os estrangeiros cujos nomes constem das listas dos serviços de informação como estando ligados a actividades terroristas, diz a Reuters. França está a 48 horas de um voto táctico e flutuante

Nesta manhã, o governo anunciou, por seu lado, que haverá um reforço da segurança tendo em vista a ida às urnas marcada para domingo. Segundo o chefe de Estado, François Hollande, França vai acordar no dia das eleições com cerca de 50 mil homem, entre polícias e forças militares, para garantir a “normalidade” junto das assembleias de voto. Os eleitores irão às urnas sob um dispositivo de alta segurança.

Entretanto, vão surgindo as mensagens de condolência de outros chefes de Estado. A primeira-ministra britânica, Theresa May, veio a público condenar “o terrível ataque terrorista em Paris”.

Por parte de Portugal, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, enviou uma mensagem a Hollande, na qual sublinha a “grande consternação”. “Em mais este momento de inquietação, quero transmitir-lhe, em meu nome e em nome do Povo Português, as minhas condolências, bem como toda a solidariedade para com o Povo Francês e, de modo particular, com a população de Paris”, afirma o Presidente.

Marcelo Rebelo de Sousa reiterou ainda “o firme compromisso de Portugal”, juntamente com a França,” na defesa de uma Europa unida também no combate ao terrorismo e à promoção constante e permanente dos valores da Democracia, da Paz e do respeito pelos Direitos do Homem”.