Franceses vão votar sob um dispositivo de alta segurança

Receio de atentados, manifestações extremistas e pirataria informática marcam votação.

Protesto contra um comício de Marine Le Pen nos arredores de Paris, que degenerou com confrontos com apoiantes da candidata
Foto
Protesto contra um comício de Marine Le Pen nos arredores de Paris, que degenerou com confrontos com apoiantes da candidata CHRISTOPHE PETIT TESSON/EPA

Mais de 50 mil agentes da polícia serão mobilizados para garantir a segurança dos 67 mil locais onde vão votar os franceses no domingo. A eles juntam-se os mais de dez mil militares que vigiam todo o território francês, no âmbito da operação Sentinela, lançada após os ataques terroristas em Paris de Janeiro de 2015 contra o semanário satírico Charlie Hebdo e um supermercado judaico.

São eleições de alta tensão por haver tantas incógnitas sobre o seu desenlace, mas também por decorrerem sob o regime de estado de emergência – declarado após os maiores atentados terroristas em França, aqueles que atingiram Paris na noite de 13 de Novembro de 2015, e prolongado sucessivamente desde então.

Para além da ameaça terrorista, o objectivo é evitar “eventuais desacatos causados por extremistas de todos os quadrantes”, afirmou o ministro do Interior, Matthias Fekl, em entrevista ao Journal du Dimanche. Sobretudo face à possibilidade bastante real de Marine Le Pen, líder do partido de extrema-direita Frente Nacional, passar à segunda volta. “Estamos a prever também fortes mobilizações de cidadãos, espontâneas, e temos que assegurar que decorrem da melhor maneira”, disse o governante.

A capital francesa será a mais protegida, com a salvaguarda de que a lei interdita a presença de homens armados junto às urnas.

Existe um potencial de ataques contra os próprios candidatos – não é ainda muito claro se havia uma ameaça de atentado contra François Fillon em Marselha, onde a Direcção Geral de Segurança Interior pretendeu dois suspeitos que se tinham filmado com uma metralhadora, uma bandeira do grupo jihadista Daesh e a capa do Le Monde de 16 de Março que mostrava o candidato da direita.

Mas a segurança dos candidatos foi reforçada – a candidatura de Emmanuel Macron, dado como o favorito nas sondagens, confirmou que uma equipa de minas e armadilhas verifica o local de cada comício, antes da entrada do centrista.

Há muitos receios de ataques informáticos, por isso houve um grande reforço das medidas de segurança. “Trabalhámos com a Agência Nacional de Segurança dos Sistemas de Informação para montar um sistema fiável, que foi homologado a 31 de Março. Todos os resultados serão centralizados no Ministério do Interior, e autenticados”, explicou o ministro Fekl. Para as legislativas, que terão lugar a 11 de Junho (primeira volta) e 18 de Junho (segunda), foi anulado o voto dos franceses no estrangeiro, “pois não estavam reunidas as condições de segurança.”