Opinião

Quando um político não gosta de uma notícia

O facto de alguns políticos lidarem mal com as notícias só lhes fica mal. A nossa missão não serve ninguém, só e apenas a opinião do povo. Era o que dizia Jefferson e nós gostamos de o citar.

Vamos aos factos – depois iremos aos fakes. Os jornalistas, todos os jornais, andaram anos (repito, anos) a perguntar ao anterior secretário de Estado dos Assuntos Fiscais por que tinha deixado de publicar dados sobre as transferências de dinheiro para territórios offshore. Nenhum obteve resposta. 

Com o Governo do PS, essas estatísticas voltaram a ser publicadas. E em Abril do ano passado deu disso conta aos leitores, contando simplesmente quanto dinheiro tinha saído do país de 2010 a 2014. Mas na semana passada, quando alguns jornais internacionais publicaram notícias sobre a Zona Franca da Madeira, incluindo o Le Monde (leram?), o Pedro Crisóstomo, jornalista do PÚBLICO, lembrou-se de ir ver se as estatísticas de 2015 já tinham sido publicadas no Portal das Finanças. Primeiro parênteses: o Ministério das Finanças nunca lhe disse que esses dados já estavam publicados, mas já estavam.

É aqui que o jornalista começa a fazer contas. Compara os números com as primeiras estatísticas, as de Abril, e faz várias perguntas oficiais, por escrito, para ficarem bem registadinhas: por que é que as estatísticas passaram a estar organizadas de forma diferente? Por que é que os dados eram muito superiores aos de Abril, precisamente em quatro anos que coincidiam com o período de ajustamento (de 2011 a 2014)?

As Finanças responderam logo na terça-feira da semana passada: as diferenças resultavam de ter havido dados não tratados; e explicaram o que significavam os quadros novos, confirmando a suspeita dele: os números tinham sido, sim, revistos. Em alta. Face a isto, o Pedro Crisóstomo fez o que um jornalista deve fazer: tratar os dados, com ajuda cá da casa. E três dias depois enviou novas perguntas. As respostas das Finanças chegaram na segunda-feira, dentro do prazo que ele, Pedro, tinha dado ao Governo. Incluindo a explicação de que aquele valor das transferências não registadas também não tinha passado pelo tratamento da Autoridade Tributária. E foi assim que se fez uma notícia. Das que marcam.

Serve isto para explicar direitinho à deputada Assunção Cristas que, sim, o caso calhou muito bem ao Governo – como é bom de ver pelo nervosismo que instalou em quem tinha, à época, a responsabilidade de governar. Mas também dizer à sra. deputada que não, neste caso o Governo não "plantou" uma notícia. Limitou-se a colher o fruto das sementes que o ex-secretário de Estado do seu partido plantou. O que espero é que a líder do CDS tenha feito três perguntas ao dr. Paulo Núncio antes de disparar preconceitos contra o jornalismo em jeito de autodefesa: se sabia que estas transferências de 10 mil milhões de euros não tinham sido fiscalizadas; se faz ideia se o perdão fiscal que decretou limpou algumas destas verbas; e por que razão escondeu ele aquelas estatísticas. Isso é que era bom saber.

Dito isto, é sempre curioso perceber como os políticos (e muitos amigos deles) convivem mal com a imprensa livre e independente. Já na semana passada, quando o PÚBLICO fez um trabalho de excelência denunciando como o Governo nos andou a enganar com esta história de António Domingues, tínhamos sido acusados de seguir "a agenda da direita" e prejudicar o Governo. Esta semana, porque fomos nós a contar a notícia das transferências para offshore sem controlo do fisco, passámos a ser acusados de "seguir a agenda do Governo" e prejudicar a direita. Que fique assente e que seja de vez: os jornais de referência não seguem agendas nem perseguem ninguém. Procuram a verdade e os factos. Mesmo que eles incomodem muita gente. Sobretudo se incomodarem. Lembrem-se bem do que escreveu Jefferson numa carta ao seu representante no congresso em 1787*, está lá tudo.

E sim, claro que há políticos, gestores, empresários, cidadãos, que "plantam" notícias nos jornais. Dão informações, que nos cabe confirmar, verificar e publicar – sempre que se confirmem. Todas as fontes têm interesses, não somos ingénuos. Mas a nossa ideologia são as notícias. É o que nos move, é o que dá prazer, é o que justifica a nossa missão. 

Não sei onde vai acabar este escândalo dos 10 mil milhões, mas sei que o PÚBLICO cumpriu a sua missão. Pode ter sido um erro informático, um erro humano. Pode ter sido uma falha de organização, de método. Pode ter sido uma ordem política, não sabemos. Mas nada disso invalida o facto: houve 10 mil milhões que foram transferidos para offshores sem que o fisco tenha feito o tratamento da informação – falta saber se as transferências deram lugar a impostos pagos ou se houve fuga ao fisco. Mas isso, as consequências (ou a responsabilidade) é o facto que se segue. O que se passou antes é realmente grave.

Não fica bem, por isso, a Assunção Cristas lançar-se contra notícias "plantadas", fugindo ao que é incómodo. Como não fica bem a António Costa acusar o anterior Governo PSD/CDS de "poupar" os que "levaram o dinheiro para os offshore" e ter a "maior tranquilidade" quanto à fuga de capitais, numa provocação dispensável para quem tem um belo trunfo na mão: foi o seu Governo que mostrou os dados das offshore para detectar falhas que ocorreram, para que os portugueses possam conhecer a informação – e para que os jornalistas possam fazer as perguntas. Bem, nesta história, esteve Passos Coelho: disse só que não sabia, que queria que o Governo investigasse – e perguntando a quem esteve com ele no Governo o que raio se tinha passado.

Quando um político não gosta de uma notícia, é assim que deve responder: sem medo ou manias da perseguição. Nós cá estaremos, para incomodar todos e cada um, como a estátua da Justiça: com uma venda nos olhos, sem olhar a quem.

* Em bom inglês, era isto o que defendia Jefferson, nunca é demais lembrar"The basis of our governments being the opinion of the people, the very first object should be to keep that right; Were it left to me to decide whether we should have a government without newspapers or newspapers without a government, I should not hesitate a moment to prefer the latter."

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações