Sucessão polémica no centro educativo da Companhia Nacional de Bailado

Rui Lopes Graça é o novo coordenador dos Estúdios Victor Cordon, substituindo Bruno Cochat, que acusa a nova direcção de o ter afastado sem quaisquer explicações.

Foto
Bruno Cochat fotografado em 2000 Daniel Rocha

O coreógrafo Rui Lopes Graça vai passar a coordenar os Estúdios Victor Cordon, Centro Educativo da Companhia Nacional de Bailado (CNB) e do Teatro Nacional de São Carlos, na sequência da saída de Bruno Cochat, disse esta sexta-feira à Lusa o gabinete de comunicação da CNB. Cochat afirmou ao PÚBLICO que ninguém lhe apresentou quaisquer razões para a rescisão do contrato e que o espectáculo infanto-juvenil 1HD – Uma História da Dança, que concebeu e dirigiu, e que deveria manter-se em cena até Junho, foi também cancelado sem nenhuma explicação.

O PÚBLICO tentou ouvir o actual director artístico da CNB, Paulo Ribeiro, que assumiu funções no final de Outubro, substituindo Luísa Taveira (que transitou para a administração da Fundação Centro Cultural de Belém), mas o coreógrafo não quis comentar as alegações de Cochat.   

O conselho de administração do Organismo de Produção Artística (OPART), que gere o Teatro Nacional de S. Carlos (TNSC) e a Companhia Nacional de Bailado, e por extensão também o centro educativo comum às duas instituições, instalado na Rua Vítor Cordon, em Lisboa, divulgou também esta sexta-feira um comunicado em que assume a decisão de suspender a carreira do espectáculo 1HD, argumentando que “não estavam reunidas as condições para prosseguir com a calendarização anunciada”, mas sem adiantar quais seriam, ao certo, as citadas condições em falta. No mesmo documento, a administração da OPART explica que, “após um período de avaliação realizado com os directores Artísticos do TNSC e da CNB”, concluiu pela “necessidade de imprimir um novo impulso programático e uma maior dinâmica” ao projecto dos Estúdios Victor Cordon, lançado por Luísa Taveira, e termina a nota com um agradecimento a Bruno Cochat “pelo trabalho desenvolvido”.

O coordenador agora afastado explica que Luísa Taveira lhe encomendou em Abril de 2016 um espectáculo que de algum modo contasse a história da dança, e que algum tempo depois, em Junho, a anterior directora artística da CNB o convidou a assumir a coordenação dos Estúdios Victor Cordon.

Cochat sublinha ainda que o espectáculo 1HD, que envolve a colaboração de alunos da escola A Voz do Operário, foi apresentado, em todos os seus detalhes, à anterior direcção artística da CNB, que o aprovou. Estreado a 25 de Janeiro, no Teatro Camões, subiu pela última vez ao palco a 4 de Fevereiro, tendo sido cancelado logo a seguir, ainda que Bruno Cochat só tenha sido oficialmente informado da decisão no dia 13, quando, garante, a informação já estava disponível no site da CNB.  

Lembrando que havia já 600 bilhetes vendidos para a apresentação seguinte, uma sessão destinada às escolas que estava agendada para 9 de Março – o que, na sua opinião, tornaria este súbito cancelamento ainda menos compreensível –, Bruno Cochat lamenta em particular que se tenham defraudado as expectativas dos alunos de A Voz do Operário envolvidos no projecto, já que, diz, “quando se trabalha com crianças, não se brinca, porque estas coisas podem deixar uma mossa feia”.