Director da CIA diz a Trump para ter cuidado com o que diz

John Brennan afirma que Trump ainda não compreendeu totalmente o significado das acções de Moscovo.

John Brennan, director da CIA
Foto
John Brennan, director da CIA LUSA/JIM LO SCALZO

"O que eu considero mesmo ultrajante é comparar os serviços de informações com a Alemanha nazi. É algo que considero muito ofensivo". É assim, sem papas na língua, que o director da CIA, John Brennan, responde à enxurrada de críticas do Presidente eleito, Donald Trump. E Brennan, que está de saída do cargo, não se fica por aqui: recomenda ao futuro Presidente, que passou a última semana a criticar as agências federais de segurança e informações por causa da Rússia e de um polémico relatório, que tenha mais cuidado com o que diz.

Numa entrevista ao canal Fox News, neste domingo, Brennan alegou que Trump ainda não compreendeu totalmente o significado das acções de Moscovo, designadamente a ocupação da Crimeia, o apoio ao Presidente Bashar al-Assad, na Síria, e os ciberataques russos. "O senhor Trump tem de entender que absolver a Rússia de responsabilidade por acções dos últimos anos é um caminho que deve ser trilhado com muito cuidado", afirmou o director da CIA, citado pela Reuters.

Numa entrevista ao Wall Street Journal, na última sexta-feira, Trump admitiu aliviar as sanções à Rússia, impostas pela Administração Obama em paralelo com medidas idênticas aprovadas pela União Europeia, se Moscovo colaborar com os EUA, nomeadamente no combate ao terrorismo.

Brennan acrescentou ainda que não vê com bons olhos a postura pública de Trump, especificamente no que diz respeito a comentários. "Espontaneidade não é algo que proteja os nossos interesses nacionais em termos de segurança", disse o director da CIA. "Por isso, quando [Trump] fala ou reage, convém ter a certeza de que ele compreende que as implicações e impactos no país podem ser grandes", disse Brennan, concluindo que o risco que daí advém "não é apenas sobre o senhor Trump". "É sobre os Estados Unidos."