Lobo Xavier: Há “compromissos escritos” entre Governo e António Domingues

Comentador da SIC Notícias sai em defesa do presidente da CGD e acusa Governo de uma “inacreditável de falta de solidariedade”.

Foto
fvl Fernando Veludo/NFACTOS

É mais um episódio na polémica sobre as declarações de rendimento e património dos gestores da Caixa Geral de Depósitos. António Lobo Xavier, que é amigo de António Domingues, saiu na quinta-feira à noite em defesa do presidente da CGD, garantindo que “há compromissos escritos” com o Governo e acusando o executivo de uma “inacreditável de falta de solidariedade” com os gestores.

“Havia uns senhores que tinham belíssimos lugares nos sítios onde estavam e foram desafiados pelo Governo para tratar da CGD. [Os gestores] Puseram as suas condições, como acontece sempre, e foi-lhes prometido, foi-lhes até escrito”, disse Lobo Xavier no programa Quadratura do Círculo, da SIC Notícias, citado pelo jornal Eco.

Lobo Xavier verbalizou aquilo que o PÚBLICO já tinha avançado na semana passada. António Domingues colocou três condições para aceitar o convite que lhe foi feito: garantir uma recapitalização sem "ajuda de Estado" (ou seja, sem que Bruxelas impusesse restrições); libertar a CGD de limites salariais, incluindo os trabalhadores; e dispensar a administração da apresentação de declarações públicas de património. As condições, segundo a informação coincidente entre fontes do Governo e da Caixa, foram aceites por Mário Centeno e Mourinho Félix logo em 20 de Março e estarão registadas por escrito. 

“Portanto, esses compromissos, que inclusivamente estão escritos, não são do A, do B ou do C, não se pode dizer que o primeiro-ministro não sabia ou sabia, e o ministro das Finanças não sabia…”, criticou ainda Lobo Xavier, colocando-se ao lado dos gestores que recusam entregar a declaração de rendimentos e património. “Os gestores estão calados, estão em silêncio, não há declarações dos gestores, não há entrevistas, não se defendem. Estão a ser vítimas de uma cena absolutamente inacreditável de falta de solidariedade e de falta de assunção de responsabilidades”, continuou o comentador da SIC Notícias, que é administrador não executivo do BPI, o banco onde António Domingues estava antes de se mudar para a Caixa.

“O Governo, com uma enorme falta de solidariedade, uma frieza que eu acho absolutamente chocante e próximo da indignidade, está a deixar passar para os gestores da Caixa o odioso da responsabilidade de coisas que combinou com eles”, diz ainda Lobo Xavier, noutra passagem do programa.

“Que país é este? Então uns homens foram contratados e acham que têm o direito de não entregar as declarações e lêem o direito de uma certa forma. E eu também acho que eles têm razão. E não lhes querem dar o direito de se defenderem”, criticou ainda o advogado, que assume publicamente que os administradores da Caixa não estão obrigados a enviar as sus declarações de rendimentos e património ao Tribunal Constitucional.

Esta polémica começou quando o Governo alterou a lei para evitar que os gestores da CGD tivessem salários limitados. Contudo, o TC notificou os gestores da Caixa para apresentarem as suas declarações de rendimentos e de património, algo que os gestores entendem que não estão obrigados a fazer.