China e Brasil reforçam liderança nos vistos gold

Novas autorizações de residência para investidores estrangeiros aumentaram ligeiramente em Outubro, mas continuam abaixo da centena.

Vistos <i>gold</i> tem cobtribuído para o crescimento do sector imobiliário.
Foto
Vistos gold tem cobtribuído para o crescimento do sector imobiliário. Filipe Farinha

Em Outubro, a concessão de novas autorizações de residência para investimento (ARI), mais conhecidos por vistos gold, registou um crescimento muito ligeiro, mantendo-se abaixo de uma centena pelo terceiro mês consecutivo. Os chineses e os brasileiros registaram mais de metade das autorizações, reforçando a posição de liderança que ocupam há longos meses.

De acordo com os dados divulgados pelo Servições de Estrangeiros e fronteiras, dos 95 ARI aprovados, apenas mais dois que em Setembro, 47 foram atribuídos a cidadãos chineses, que desde o arranque do programa, em finais de 2012, já acumulam 2926.

Os brasileiros, que estão em segundo lugar, receberam mais 11 vistos, o que eleva o total a 220. A Rússia está em terceiro lugar, posição que reforçou com mais seis autorizações, sendo que os restantes estão dispersos por várias nacionalidades.

Os dados de Outubro voltam a revelar um abrandamento na aprovação de processos, tendo em conta que os agentes do mercado, nomeadamente imobiliárias e escritórios de advogados,continuam a falar em alguns milhares de pedidos pendentes.

Depois do crescimento em Fevereiro (144), e do máximo de Maio (168), os processos concluídos voltaram a cair, com Julho a ficar-se por 106. Desde aí que o número ficou sempre abaixo de uma centena.  

Em valor, foram investidos mais 58,6 milhões de euros em Outubro, quase exclusivamente através da compra de activos imobiliários, onde o investimento mínimo tem de ascender a 500 mil euros. Do total de vistos gold, 90 não foram atribuídos através de aquisições de imobiliário.

Os restantes cinco envolveram transferências de capitais, que no mínimo tem de ascender a um milhão de euros (tendo o valor transferido ficado em cinco milhões de euros). Por criação de mais de 10 empregos continuam a existir apenas seis ARI concedidos desde o início do programa.