Há mil anos, os vikings espalharam o terror pelo Norte de Portugal

Alguns dos melhores especialistas no período viking participam este sábado numa conferência internacional pioneira que assinala os mil anos passados desde o ataque ao Castelo de Vermoim, em Famalicão.

Fotogaleria
Em Catoira, na Galiza, desde os anos 60 que se assinalam, numa festa, os ataques Vikings Miguel Vidal/Reuters
Fotogaleria
Em Catoira, na Galiza, desde os anos 60 que se assinalam, numa festa, os ataques Vikings Miguel Vidal/Reuters
Fotogaleria
Atacado por vikings em 1016, o castelo de Vermoim foi desmantelado no século XIII DR
Fotogaleria
Na ilha Shetland, na Escócia, todos os anos celebra-se a herança Viking Jeff J. Mitchell/REUTERS

Há meses que o terror dos homens do Norte, os vikings, como hoje popularmente lhes chamamos, ecoava na região. Naquele fim de Verão, os Lordemanos subiram o rio Ave, com as suas embarcações esguias, encimadas por uma cabeça de dragão e, a 6 de Setembro de 1016, atacaram o Castelo de Vermoim, no actual território de Famalicão, onde os esperava o conde portucalense. Alvito Nunes terá morrido nessa batalha, acreditam historiadores como José Mattoso e outros que leram sobre aquela incursão numa importante crónica daqueles tempos. Mil anos depois, Famalicão é este sábado invadida por alguns dos melhores especialistas mundiais neste período histórico, num colóquio pioneiro que servirá também para afirmar a importância das fontes portuguesas para o estudo da era viking.

Coordenador, com Mário Jorge Barroca, deste colóquio que se realiza na Casa de Camilo, em Seide, Armando Coelho, do Centro de Investigação Trans-Disciplinar Cultura, Espaço e Memória (CITCEM) da Universidade do Porto, nota que muito do que julgamos ser característico dos vikings é criação do século XIX, potenciada depois pelo cinema e pela televisão. E, mais do que terror, hoje os normandos (nome pelo qual eram conhecidos os homens de várias zonas da Escandinávia ainda antes de se terem estabelecido na Normandia, no norte de França, região doada a Rollo, em 911), inspiram fascínio. Prova de que os seus “feitos” perduram na nossa memória colectiva, uma série que vai já na quarta temporada, no Canal História, foi uma das dez produções mais pirateadas na internet em 2014.

Piratas foram também os vikings, no seu tempo. Um dos investigadores presente este sábado no colóquio que assinala os “mil anos da incursão normanda ao castelo de Vermoim”, Hélio Pires, explica, aliás, na sua tese de doutoramento, que “uma variante anglo-saxónica do termo – wiceng – já estaria em uso em Inglaterra antes dos primeiros ataques, cujos agentes as fontes inglesas depois chamaram de wicingas, com o sentido de piratas. Não é claro que seja esta a origem do termo viking – até porque há outras hipóteses escandinavas, explica este autor –, mas, seja como for, os monges de Lindisfarne terão pensado mais no demónio, ou num castigo de Deus, do que em qualquer povo de uma costa nada longínqua, quando sentiram a força das suas espadas e machados, em 793 – o ano que marca o início de uma era.

Curiosamente, apesar de termos a ideia de um povo invencível, na primeira incursão na costa ocidental da Península Ibérica de que existem registos vários, em 844, estes navegadores e combatentes exímios terão sido afectados por uma forte tempestade – que a crença popular em Foz, no norte da Galiza, atribui a um milagre de um bispo de nome Gonçalo, ainda hoje celebrado –, e derrotados “por tropas ibéricas munidas de armas de arremesso”, lideradas por Ramiro I das Astúrias. Numa frota numerosa, os navios que escaparam seguiram para sul. Desconhece-se se pararam e atacaram outros pontos da costa, mas sabe-se, por fontes muçulmanas, que atacaram Lisboa pelo mês de Agosto, e, mais tarde, Sevilha, que chegaram a tomar, antes de serem copiosamente derrotados pela reacção das tropas do emir de Córdova.

A presença dos normandos na costa ocidental da Península e no território do que hoje é Portugal terá tido vários momentos, desde aquele ano de 844 até por volta do ano 1100, e está documentada em várias fontes escritas, nórdicas, asturianas e galegas e, no sul, pelos muçulmanos, adversários do norte cristão no processo da Reconquista. Mas há outras fontes, situadas no Condado Portucalense, que trazem também alguma luz sobre eventos que, ninguém duvida, marcaram as populações e as instituições daqueles tempos, e que até terão estado na origem da fortificação do castelo de Guimarães, na segunda metade do século X, por ordem de Mumadona Dias. Uma dessas fontes é a Chronica Gothorum, que, segundo Hélio Pires, “começa com a presença visigótica no território e a invasão muçulmana, para depois se deter em acontecimentos de 987 a 1184 e, essencialmente, no actual território português”. É nela que surge a referência ao evento de 6 Setembro de 1016, o ataque ao Castelo de Vermoim, que o colóquio deste sábado assinala.

“Dada a brevidade da fonte, desconhecem-se os contornos precisos do ataque. Não se sabe se os piratas nórdicos chegaram a Vermoim navegando pelo rio Ave até avançarem por terra, uma vez chegados às imediações da actual cidade de Santo Tirso. Ou se atingiram o castelo vindos de norte ou marchando desde a costa. Ignora-se se atacaram outros locais antes e depois de Vermoim, até porque não se sabe qual o desfecho do assalto à fortaleza. A referência ao território bracarense serve apenas para localizar geograficamente o evento e não permite concluir que houve um ataque a Braga, da qual Vermoim dista em aproximadamente vinte quilómetros”, escreve Hélio Pires em Incursões Nórdicas no Ocidente Ibérico (844-1147): Fontes, História e Vestígios, de 2012.

Autores vários, como José Mattoso, apontam para a morte do conde portucalense, Alvito Nunes, nesse recontro. Nuno Alvites, filho e sucessor deste, surge nas referências seguintes à titularidade do condado e, interpreta Mário Jorge Barroca, as breves referências da Chronica ao ataque a Vermoim servem para situar a importância política do evento e as suas consequências, das quais não existem outras provas. Na verdade, não se descobriram, até hoje, quaisquer vestígios arqueológicos da presença dos Lordemanos no território de Portugal. Barroca assinala que essa é, aliás, uma das dificuldades com que os investigadores se confrontam nas suas pesquisas sobre um povo (ou povos) que, sabe-se, por exemplo, teve de construir acampamentos durante os nove meses, que entre 1015 e 1016, passou no território do Baixo Minho.

Esta ausência de vestígios, vinca o investigador da Universidade do Porto, dá mais importância ainda aos registos escritos que fizeram chegar até nós alguns dados sobre essas incursões. Aliás, os dois coordenadores deste colóquio acreditam que este acabará por colocar o nome de Portugal, e os “nossos poucos, mas muito interessantes documentos”, no mapa europeu. Stefan Brink – que, com Gareth Williams e Alban Gautier, trazem a Famalicão um olhar macro sobre a presença dos nórdicos no mundo – “nunca tinha ouvido falar em fontes portuguesas e ficou muito interessado. Eles trabalham com as fontes asturianas e outras, ao norte, e com as fontes muçulmanas no Sul. Esta documentação avulsa, mais tardia, é importante”, notam.

Mário Jorge Barroca chama a atenção para dois outros documentos mais prolixos em termos de informação sobre a relação entre os vikings e as populações locais e que referem dois casos de raptos e os respectivos resgates, muito bem pagos, por parte dos visados. O primeiro, do Mosteiro de São Salvador de Moreira (Maia), data de 1018, e relata os esforços de Amarelo Vestaliz (em Guilhabreu, no território actual do concelho de Vila do Conde, junto ao Ave) para salvar as suas três filhas. “Conta o documento que, em Julho de 1015, um grande número de 'filhos e netos dos Normandos' entrou no Douro (...) e, durante nove meses, pilharam e fizeram prisioneiros até ao rio Ave (…). Apanhadas no meio do ataque, as três filhas de Amarelo Mestaliz foram capturadas (…) e, quando os nórdicos começaram a vender todos os cativos, eles não tinham com que lhes pagar o resgate das raparigas”.

“Sem recursos, Amarelo dirige-se então a uma senhora nobre de nome Lupa ou Loba” – que Mário Jorge Barroca aponta como sendo Loba Alvites, filha do conde Alvito –, “com o objectivo de lhe vender uma propriedade (...) e, dessa forma, reunir dinheiro suficiente para libertar as suas filhas”, refere, na sua tese, Hélio Pires. “A proposta de negócio tinha na base um acordo anterior entre os dois (…), onde se supõe uma promessa de auxílio da parte de Dona Loba a troco de bens de Amarelo. Mas o negócio não se concretizou e o pai das três raparigas dirige-se, então, a outra senhora, de nome Froila Tructesindiz, a quem Amarelo consegue vender a sua propriedade e, dessa forma, libertar as suas filhas (…). O documento regista essa transacção e o auxílio posteriormente prestado a Amarelo, quando voltou a passar dificuldades e, ao que parece, as suas filhas não souberam retribuir a dedicação paterna. Refere ainda aquilo que poderá ser o valor do resgate: quinze sólidos ou soldos de pratas”, escreveu Pires.  

“Esse documento é fantástico porque diz que os normandos estiveram cá nove meses. Tem uma série de pormenores. E são muito poucos os documentos de resgates de que há conhecimento”, assinala Mário Barroca. E em Portugal existe não um, mas dois. Em 1026, um diploma do cartório do Mosteiro de Pedroso (Gaia) refere a cedência de propriedades na Terra de Santa Maria, junto a um rio Ovar (seria o Cáster, na actual Ovar), como indemnização de um resgate pago a normandos. Segundo o texto, uma mulher, de nome Meitilli, dá a Octicio a quarta parte de duas propriedades que ela tinha em Cabanões e Muradões, na Terra de Santa Maria, por ele a ter livrado, a ela e à sua filha Guncina, do cativeiro dos normandos, resgatando-as. Octicio tinha pago “um manto de pele de lobo, uma espada, uma camisa, três lenços, uma vaca e três módios de sal” (tudo avaliado em 60 módios ou moios), refere Barroca.

Estes dois episódios levantam também a reflexão sobre a interacção entre os invasores e os habitantes locais. Sabemos que acamparam, mas desconhecemos se, nestas ou noutras incursões, estabeleceram colónias, como aconteceu noutros territórios por onde passaram. Em Portugal, não há registo de assentamentos permanentes, apesar de o topónimo Lordemão, no concelho de Coimbra, inspirar, pelo menos, a curiosidade de historiadores e linguistas. Desde o século XIX, alguns estudiosos associaram as características físicas de algumas famílias de pescadores da Póvoa de Varzim a estes povos – esquecendo, porventura, que várias populações bárbaras passaram por ali e que, depois de cristianizados, cruzados anglo-normandos participaram na conquista de Lisboa, em 1147 (recusando, sinais de outros tempos, combater a troco de saque, recorda Hélio Pires).

Colocada ao serviço da História, a genética poderia aqui dar uma ajuda e provar, ou acabar, com um mito local, assume Mário Barroca. Como recorda Armando Coelho, ela já apontou para a possibilidade de os vikings terem estado na Madeira 400 anos antes dos portugueses, através da análise ao ADN de ossos de ratos domésticos com mil anos de idade. E, ainda no ano passado, foi muito noticiada a história do clã McNeil, na Ilha de Barra, na Escócia. Os McNeil eram muito ciosos das suas origens nobres, que remontariam a Neil dos Nove Reféns, um mítico rei da Irlanda, mas, depois de testes de ADN a uma amostra alargada (e dispersa pelo mundo), provou-se que, afinal, descendiam desses vikings que há mil anos invadiram aquelas costas. O que não lhes caiu muito bem.

Já os galegos não têm vergonha nenhuma desses recontros com os povos que vinham do Norte. Para além de celebrarem a influência da cultura celta um pouco por todo o território, em Catoira, na Ria de Arousa, onde se situam as Torres do Oeste – sistema importante para a defesa da embocadura do rio Ulla, que dava acesso a Iria Flávia e a Santiago de Compostela –, uma festa de amigos iniciada nos anos 60 transformou-se numa concorrida celebração viking. Todos os anos a festa foi aumentando de importância, internacionalizou-se e, para além de combates sangrentos, regados a cerveja, não faltam os navios drakkars, construídos segundo modelos originais. Fernando Alonso Romero, da Universidade de Santiago, e Irene Garcia Losquiño, da Universidade de Abeerdeen, farão, no colóquio deste sábado, a aproximação aos factos históricos por detrás desta relação dos galegos com os piratas nórdicos.

As comunicações deste encontro internacional, o primeiro, com este nível, a realizar-se entre nós, vão merecer uma edição em livro, garante a Câmara de Famalicão. Para além de Mário Barroca, Armando Coelho e Hélio Pires, o contingente português nesta concorrida iniciativa do município e do CITCEM - que esgotou as 140 inscrições previstas -  completa-se com André Oliveira Marques, do Instituto de Estudos Medievais da Universidade Nova de Lisboa, Luís Carlos Amaral, também do CITCEM, e Francisco Queiroga, que encerrará o dia com uma comunicação sobre o castelo de Vermoim. 

A fortificação atacada pelos vikings em 1016 foi construída sobre um antigo castro, terá sido desmantelada no século XIII, e, no lugar onde existiu, alguém, recentemente, colocou uma cruz. Mas, em toda a envolvente, há vestígios já escavados de ocupação humana que remonta até ao neolítico, e o município, com o apoio científico da Universidade do Porto, tenta há três anos convencer a Direcção-Geral do Património Cultural a classificar como monumento nacional uma área de vários hectares, que abranja todos os pontos de interesse arqueológico já identificados.

“Aqui há matéria para mil anos de escavações. Temos de garantir que tudo isto possa ser estudado pelas próximas gerações”, pede Armando Coelho. 

Sugerir correcção