Cinco dos sete incêndios mais preocupantes concentrados em Viana

Plano distrital de emergência foi activado nesta segunda-feira à noite. Chamas continuam a destruir o Parque Nacional da Peneda-Gerês.

Foto
Às 18h, estavam activos no país 158 incêndios florestais Rui Farinha

O distrito de Viana do Castelo concentra a meio da tarde desta terça-feira cinco dos sete incêndios mais importantes em Portugal continental destacados no site da Autoridade Nacional de Protecção Civil. A gravidade da situação levou à activação, na noite desta segunda-feira, do plano distrital de emergência, justificado pelas autoridades com o esgotar dos meios de combate e com as condições meteorológicas para os próximos dias.

Às 17h30, a página de Protecção Civil contabilizava naquele distrito18 ocorrências activas, que estavam a ser combatidas por 550 operacionais e a ajuda de sete meios aéreos.

O fogo que concentra mais meios é o de Covas, em Vila Nova de Cerveira, que, apesar de já ter deflagrado domingo ao fim da tarde, continua “com várias frentes activas”. A multiplicação de incêndios e a sua duração obrigou à deslocação do segundo comandante distrital de Coimbra, que neste momento dirige o combate ao fogo de Covas. Este incêndio conta com 135 operacionais, entre os quais grupos de reforço de Lisboa e Santarém, apoiados por três meios aéreos.

Também o fogo de Travanca, em Arcos de Valdevez, que progride no Parque Nacional da Peneda-Gerês desde a madrugada de segunda-feira, está a ser comandado por um responsável de fora, neste caso, um adjunto do comando nacional. O incêndio está a consumir uma zona de mato e a meio da tarde apresenta duas frentes activas. No mesmo concelho, mas numa outra freguesia, Eiras e Mei, dura há mais de um dia um outro fogo, que tem pouco antes das 18h uma frente activa.

Também ontem começou a arder, pouco antes das 17h, uma zona de mato na freguesia de Calheiros, em Ponte de Lima, uma ocorrência que continua por dominar. Um outro incêndio, dentro do concelho de Viana, começou esta madrugada e mobiliza 77 operacionais e 22 veículos.

Contudo, o incêndio que mobiliza mais meios no país é o que deflagrou na localidade de Couto de Baixo, em Viseu, ontem de manhã. A combater as duas frentes activas estão, perto das 18h, 143 operacionais e dois aviões médios. O fogo de Rossas, em Arouca, que se iniciou no sábado, foi considerado dominado esta tarde. Mesmo assim ainda conta com 275 operacionais no terreno.

Às 18h, estavam activos no país 158 incêndios florestais, que mobilizavam quase 4260 operacionais e 25 meios aéreos.