Veleiros robóticos disputam campeonato do mundo em Viana do Castelo

A tecnologia desenvolvida a nível mundial há mais de uma década vai "invadir" as águas do rio Lima, em Setembro.

O rio Lima vai ser palco da competição
Foto
O rio Lima vai ser palco da competição PÚBLICO/Arquivo

Veleiros robóticos de nove países vão disputar, no rio Lima, em Viana do Castelo, o campeonato do mundo da modalidade e mostrar as potencialidades desta tecnologia na monitorização dos oceanos, anunciou a organização esta terça-feira.

"Podem ter aplicação na monitorização oceânica, marinha ou ambiental, na vigilância e segurança da fronteira marítima e na recolha de dados oceanográficos", explicou José Carlos Alves, investigador do Centro de Robótica e Sistema Autónomos do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC).

De acordo com o docente da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), os veleiros robóticos "são embarcações semelhantes aos barcos telecomandados, em que a diferença reside no facto de terem capacidade de navegação autónoma, controlada por um computador interno programado para cumprir determinada missão".

"São embarcações pequenas, que podem ter entre um metro a 2,5 metros de comprimento, que usam como propulsão exclusivamente a força do vento. São capazes de permanecer no mar durante um período estendido de tempo, que pode variar entre as várias semanas a meses", explicou José Carlos Alves.

A tecnologia desenvolvida a nível mundial há mais de uma década vai "invadir" as águas do rio Lima, em Setembro, no Campeonato do Mundo de Veleiros Robóticos (World Robotic Sailing Championship - WRSC) 2016, organizado pela FEUP e INESC TEC.

A prova, onde vão participar dez veleiros robóticos, vai decorrer na frente ribeirinha da cidade, que, segundo o investigador, "tem condições excepcionais e únicas" para a realização do campeonato. "Além de um enquadramento ímpar do plano de água no rio Lima, com uma visibilidade excelente desde a marginal da cidade, é de realçar o enorme empenho com que a Câmara de Viana do Castelo abraçou este projecto e que será certamente mais um sucesso a somar àquilo que a cidade tem feito na promoção das actividades náuticas e da economia do mar na região", frisou José Carlos Alves.

A prova vai decorrer entre 5 e 10 de Setembro com "veleiros 100% autónomos e equipados com aplicações inovadoras" e cerca de 50 participantes de Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Finlândia, Estados Unidos da América, Japão, Nova Zelândia e China.

Portugal vai estar representado por três grupos da Universidade Nova de Lisboa, Escola Naval da Marinha/CINAV e FEUP/INESC TEC.
"Em Portugal fomos pioneiros nesta área. Em 2008 desenvolvemos uma embarcação que tem participado nestas competições, que têm como objectivo proporcionar a discussão de conhecimentos e pôr à prova os veleiros, avaliando o seu desempenho em manobras de navegação à vela", sustentou o investigador.

Neste campeonato, os organizadores da prova, FEUP e INESC TEC, vão ainda participar com o veleiro FAST, que já venceu este campeonato em 2012, em Cardiff, no País de Gales. Trata-se de "uma embarcação autónoma e não tripulada que conta com um pequeno computador, responsável por fazer com que veleje autonomamente, e com pequenos motores eléctricos para manobrar o leme e orientar as velas". Já "a energia eléctrica é assegurada por um painel solar e armazenada em baterias que possibilitam a operação do veleiro durante longos períodos de tempo".

Além das provas, o programa do campeonato mundial inclui, no dia 10 de Setembro, uma conferência com apresentação de trabalhos científicos sobre embarcações à vela robóticas.