Galopim de Carvalho homenageado em Lisboa

Medalha municipal de mérito científico atribuída, esta quinta-feira, ao geólogo que deu grande visibilidade aos dinossauros e à defesa do património geológico.

Fotogaleria
Galopim de Carvalho no Museu Nacional de História Natural, em 2001 Carlos Lopes
Fotogaleria
Galopim de Carvalho no seu gabinete no Museu Nacional de História Natural, em 2001 Carlos Lopes
Fotogaleria
Galopim de Carvalho e as suas famosas gravatas com dinossauros Carlos Lopes

O geólogo António Galopim de Carvalho é homenageado esta quinta-feira, pelas 18h30, no Museu Nacional de História Natural e da Ciência, que pertence à Universidade de Lisboa. Irá receber a medalha municipal de mérito científico, que lhe será entregue pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina.

Nasceu em Évora em 1931 – onde em 2014 também foi homenageado pela Câmara Municipal de Évora, que atribuiu o seu nome à Escola EB1/JI do Bacelo, passando a designar-se Escola Básica Galopim de Carvalho. Em 1959, licenciou-se em Ciências Geológicas pela Universidade de Lisboa e obteve o doutoramento em Geologia em 1969. É professor catedrático jubilado, tendo ensinado no Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa desde 1961. Deu a sua última aula nesta faculdade em 2001, jubilando-se então. Têm sido várias as homenagens, como a atribuição, em 1993, do grau de Grande Oficial da Ordem de Sant’Iago da Espada.

Tornou-se conhecido do grande público depois de assumir, em meados de 1992, a direcção do Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisboa (como então se chamava o agora Museu Nacional de História Natural e da Ciência), onde se lançou na defesa das pegadas de dinossauro de Carenque (no município da Amadora) e de outros locais de interesse geológico e paleontológico, como as pegadas das Serras de Aire e Candeeiros.

Grandes exposições, como uma de dinossauros robotizados em 1993, ajudaram-no a ficar conhecido do grande público como o “avô dos dinossauros” (ou dinossáurios, como faz questão de dizer). Aquela exposição, Dinossáurios regressam a Lisboa, teve cerca de 347.000 visitantes em 11 semanas.

Na cerimónia de homenagem desta quinta-feira, o geólogo Fernando Barriga, da Universidade de Lisboa, dará precisamente o seu testemunho sobre Galopim de Carvalho e o Museu Nacional de História Natural, e o geólogo José Brilha, da Universidade do Minho, centrar-se-á no seu papel na defesa do património geológico.

Galopim de Carvalho é ainda autor de diversos livros, desde científicos, de divulgação científica, ficção até às suas memórias de comidas (onde inclui receitas modificadas ou inventadas por si).