Johnny Depp acusado de violência doméstica e proibido de se aproximar da mulher Amber Heard

Um tribunal de Los Angeles decretou esta medida depois de Amber Heard ter pedido o divórcio.

Foto
Johnny Depp e Amber Heard fotografados o ano passado no Japão REUTERS/Yuya Shino

O actor norte-americano Johnny Depp foi proibido esta sexta-feira por um tribunal norte-americano de se aproximar da sua mulher, Amber Heard, que pediu o divórcio e o acusa de violência doméstica.

Segundo um porta-voz do tribunal de Los Angeles contactado pela AFP, "o juiz emitiu uma ordem" a pedido da actriz, de 30 anos, que proíbe Johnny Depp de se aproximar dela a menos de 90 metros. 

A actriz, que se apresentou esta sexta-feira no tribunal com nódoas negras na cara, pediu o divórcio e uma pensão alimentar no início desta semana depois de 15 meses de casamento. O juiz Carl Moor tomou esta decisão depois de ter recebido um dossier de 40 páginas com documentos e fotos, durante uma audiência à porta fechada. 

O casal conheceu-se durante as gravações do filme The Rum Diary (em português Diário a Rum), em 2011. O romance passou da tela para a vida real e tornou-se oficial depois de Johhny Depp ter anunciado a separação com a actriz francesa, Vanessa Paradis, com quem tem dois filhos, Lily-Rose e Jack. A separação com Paradis, com quem nunca chegou a casar, aconteceu em Junho de 2012. Depp e Heard ficaram noivos na noite de Natal de 2014 e o nó com a actriz 22 anos mais nova deu-se a Fevereiro de 2015.

Agora, Amber Heard alega “diferenças inconciliáveis” com o protagonista da saga Pirata das Caraíbas e diz que tem sido vítima de agressões verbais e físicas repetidas da parte de Johnny Depp, causadas, segundo ela, por problemas com álcool e drogas. No tribunal a actriz apresentou uma fotografia, que entretanto foi publicada pelo site TMZ, em que está com hematomas num olho para provar a violência a que diz ser sujeita pelo seu marido. A fotografia terá sido tirada pouco depois de o actor a ter agredido na cara com o telemóvel no sábado passado. Ao mesmo tempo que pediu o divórcio, Amber Heard pediu uma compensação monetária mensal ao actor multimilionário.

Depp, um dos actores mais bem pagos de Hollywood, tem uma fortuna avaliada em cerca de 400 milhões de dólares, qualquer coisa como cerca de 360 milhões de euros. Não é certo que o casal tenha assinado um acordo pré-nupcial, mas o actor que deu vida a Eduardo Mãos-de-Tesoura já pediu ao juiz que refute os pedidos da actriz e emitiu um comunicado através do seu porta-voz.

No documento, Depp destaca a “brevidade” do matrimónio e faz referência à "recente e trágica morte" da sua mãe, que morreu na passada sexta-feira, 20 de Maio. Segundo o porta-voz do actor, Johnny Depp "não irá responder a nenhuma das obscenas e falsas histórias, rumores e mentiras" sobre o seu "curto casamento", que espera ver "dissolvido rapidamente".

De acordo com o site TMZ, a relação do casal era extremamente amarga devido ao relacionamento de Amber Heard com a família do actor. De facto, o pedido do divórcio coincide com a morte da mãe do actor, de 81 anos, que vivia com o casal desde o início do ano. 

Este é o segundo divórcio de Johnny Depp. O actor foi também casado com Lori Anne Wilson, entre 1983 e 1986. O actor esteve ainda noivo de Juliette Lewis, Kate Moss e Winona Ryder. Já Amber Heard mantinha uma relação há três anos com Tasya Van Ree antes de conhecer Johnny Depp.

Recentemente, o casal foi alvo de polémica quando partilhou um vídeo de desculpas ao governo australiano por ter transportado animais de forma ilegal para o país. Em Abril, Amber Heard foi ouvida em tribunal e acabou por se declarar culpada pela falsificação de documentos, tendo sido obrigada a pagar uma indemnização ao estado australiano. Esta foi uma das suas últimas aparições públicas.

Johnny Depp actua esta sexta-feira à noite em Lisboa, no Rock in Rio, com os Hollywood Vampires. Depp está também desde quarta-feira nas salas de cinema portuguesas, onde regressa ao papel de Chapeleiro Louco em Alice do Outro Lado do Espelho, de Tim Burton.

A advogada de Johnny Depp, Laura Wasser, recusou-se a fazer qualquer comentário à AFP enquanto a advogada de Amber Heard, Samantha Spector, não respondeu aos pedidos da agência noticiosa para comentar o caso.