Bacalhau, azulejos e pastéis de nata não podem ser os únicos objectivos

O autor francês aconselha Portugal a receber todos os anos dez mil criativos do Brasil.

Foto
Enric Vives-Rubio

Criar uma economia criativa e digital exige “uma mudança total de mentalidade”, afirma Frédéric Martel quando lhe perguntamos se Portugal tem as condições para se tornar uma startup nation, à semelhança por exemplo de Israel, cujo caso analisa no livro Smart. Elogia o trabalho que foi feito em Lisboa por António Costa quando era presidente da Câmara. “Sei que agora, como primeiro-ministro, tem um plano para o fazer ao nível nacional”. Mas, avisa: “isso não se consegue apenas com discursos e não pode ser um modelo imposto de cima para baixo.”

É muito importante criar condições para que as startups sejam financiadas. “Os business angels são importantes; os bancos têm que cumprir o seu papel de apoiar a economia e os pequenos projectos – e não o fazem suficientemente, seja em Portugal ou em França”, critica Martel. Mas é também fundamental “transformar Portugal de uma forma criativa”.

Para isso, o Partido Socialista “tem que arranjar um novo ministro da Cultura e Digitalização, talvez com a ajuda do Bloco de Esquerda, para ter uma pessoa criativa a pensar o futuro do país [a entrevista aconteceu antes da demissão de João Soares de ministro da Cultura e Martel criticava-o duramente, referindo a opinião de “todos os artistas e criadores” que tinha conhecido em Lisboa, que acusavam Soares de “não ter visão, nem dinheiro, nem ideias e ninguém com ele” e de “não ter feito nada em cinco meses” no cargo].

Outro conselho que Martel deixa ao Governo é o de “recriar a diplomacia cultural para promover a cultura portuguesa no estrangeiro – que, por exemplo, já não existe em França, na Alemanha, no Reino Unido nem sequer no Brasil”. Esta, diz, “deveria ser uma das prioridades” do ministro dos Negócios Estrangeiros.

“Portugal já não é um país industrializado e não será no futuro um país neo-industrializado”, declara o jornalista e investigador. “A globalização está aqui e está para ficar. Todo o dinheiro que gastarem a tentar reanimar esse tipo de velha economia será perdido. É preciso proteger os trabalhadores e garantir as pensões, mas também é preciso pensar nas próximas economias: serviços, turismo, cultura, pessoas criativas, educação, saúde. E a tecnologia estará no centro de todos estes sectores.”

No turismo, Portugal “fez um excelente trabalho”, mas “é preciso mais”. É necessário “um novo aeroporto, maior e mais moderno” e “ajudar os portugueses a desenvolver os seus conhecimentos de línguas” (embora Martel reconheça que há muito mais gente a falar inglês e francês do que em Espanha, Grécia ou Itália). “E é preciso aumentar a oferta cultural para os turistas. Portugal está a tornar-se a nova Florida para o Norte da Europa e França, um destino para reformados. É preciso atrair turistas mais jovens e não apenas para estadias de fim-de-semana. O folclore é bom mas bacalhau, azulejos e pastéis de nata não podem ser os únicos objectivos.” Martel defende que é fundamental conquistar “a nova geração de turistas, os milleniums”.

E, por falar neles, diz ter ficado surpreendido ao perceber como esta geração “está deprimida em Portugal, sem objectivos ou esperanças e sem poder cumprir os seus sonhos”. Avisa que se se pensar apenas “nas pensões dos baby boomers, nas poupanças dos funcionários públicos e na protecção dos estivadores e agricultores, essa geração nascida por volta do ano 2000 vai tornar-se mais desesperada, mais radical, a fumar mais marijuana ou… a ir-se embora.”

Fala dos muitos jovens que nos últimos anos saíram do país, entre os quais muitos criativos, “artistas, geeks, hackers, nerds”, e do risco de “nunca mais voltarem”. “É fundamental mantê-los em Portugal seja qual for o preço”, insiste. Além disso, “é preciso atrair gente nova” e a prioridade deveria ser o Brasil. “Podem, por exemplo, escolher todos os anos 10 mil criativos, artistas, músicos, e geeks brasileiros, através de um concurso ou de candidaturas, e dar-lhes um visto, licença de trabalho e alguns benefícios sociais durante 5 ou 10 anos. Eles ajudarão a regenerar o sistema cultural e tecnológico em Portugal. Ter uma imigração mais qualificada é uma obrigação para um país como o vosso, com problemas demográficos.”