Empreendedores agrícolas vão ter guia sobre como lançar negócio

Documento foi elaborado pela Inovisa, incubadora do Instituto Superior de Agronomia, e é uma iniciativa da McDonald’s.

Novos negócios na agricultura incluem utilização de tecnologia
Foto
Novos negócios na agricultura incluem utilização de tecnologia José Sarmento Matos

Um guia para empreendedores agrícolas vai ser lançado na terça-feira em Lisboa e é o primeiro dedicado ao sector, com informações sobre modelos de negócio, burocracias necessárias para abrir uma empresa ou financiamento. A iniciativa é da McDonald’s e o documento, em formato digital, foi elaborado pela Inovisa, a incubadora de empresas do Instituto Superior de Agronomia (ISA).

Luís Mira, professor e presidente da Inovisa, explica que o ponto de partida foi criar um documento completo, inspirado no existente Guia do Empreendedor do IAPMEI, mas adaptado à realidade agrícola e aos novos conceitos de inovação, como a lean inovation. Neste modelo dá-se importância ao teste do produto no mercado: a ideia inicial vai sendo melhorada à medida dos resultados que se obtém junto dos potenciais clientes, numa metodologia que, diz Luís Mira, “é muito mãos na massa”.

Além da componente teórica, o guia inclui vídeos com casos práticos de parceiros da McDonald’s, como a Vitacress, produtora de alfaces lavadas e embaladas que fornece a cadeia de restauração, ou a Campotec, que fornece, por exemplo, o tomate fatiado. A MacDonald’s lançou a MBIA (McDonald's Business Initiative for Agriculture) para produzir e partilhar conhecimento entre os agricultores e aproximá-los do “universo de empreendedorismo nacional”. Na terça-feira haverá uma espécie de TED Talk onde estarão empresas já instaladas, como a Terrius, um agrupamento de agricultores da Serra de S. Mamede que promove os produtos locais, e empreendedores que vão divulgar as suas ideias de negócio.

“Tenho dado apoio a jovens agricultores numa formação – são pessoas que já estão preparadas – e o normal é não terem pensado de forma estruturada nos modelos de negócio e nas opções técnicas que têm. Não há um pensamento de um modelo de negócio”, ilustra Luís Mira, para se referir à necessidade de um guia orientador.

O professor do ISA diz que, a par das empresas já instaladas e com dimensão, há outras novas a surgir, “muito ligadas ao regadio e ao Alqueva, onde há disponibilidade de água e boas condições para produção”. Os novos negócios incluem a produção intensiva não só de frutos secos (amêndoa), como de olival. Há ainda um “empreendedorismo ligado à prestação de serviços à agricultura”, relacionados com automatismo ou digitalização de processos. “A IBM e a Google estão a olhar para o sector, que tem imensas oportunidades por explorar na área da robótica e automatismo”, detalha.