Marcelo ganha à primeira com dobro dos votos de Nóvoa

A surpresa da noite foi o baixo resultado atingido por Maria de Belém, ultrapassada por Marisa que consolida o crescimento do BE. Marcelo é o quinto Presidente eleito em democracia.

Fotogaleria
Marcelo Rebelo de Sousa durante o discurso de vitória Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Marcelo estará em Nova Iorque até dia 22 de Setembro Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso

Como era expectável, Marcelo Rebelo de Sousa é o novo Presidente da República. Foi eleito à primeira volta, com 52% e quase dois milhões e meio de votos, numa eleição em que a surpresa da noite foi o baixo resultado alcançado por Maria de Belém Roseira, que se ficou pelos 4,24% bem como o terceiro lugar atingido por Marisa Matias, a candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda, que chegou os 10,13%

Sampaio da Nóvoa ficou em segundo, com 22,89%. Em quinto lugar surge Edgar Silva, o candidato do PCP, com 3,95% dos votos, seguindo-se Vitorino Silva (3,29%), Paulo Morais (2,15%), Henrique Neto (0,84%), Jorge Sequeira (0,3%) e Cândido Ferreira (0,23%). Isto quando faltavam apurar os resultados da freguesia de Muro, na Trofa, onde houve um boicote, e os resultados de parte dos Estados Unidos, devido ao forte nevão.

Falhando a segunda volta, Sampaio Nóvoa atingiu o segundo lugar com 22,89%, sendo assim o candidato mais votado da esquerda e o que mais se aproximou de poder disputar uma segunda volta, não fosse o resultado definitivo de Marcelo Rebelo de Sousa que obteve mais de metade dos votos, sendo eleito para um primeiro mandato com uma percentagem superior às obtidas por Mário Soares em 1986 (51,18%) e Cavaco Silva em 2006 (50,54%).

Saliente-se também que foi a primeira vez que um candidato independente obteve tão alto resultado, se bem que Sampaio da Nóvoa tenha recebido o apoio de vários dirigentes do PS e contado com a participação de muitas estruturas locais na campanha.

Direita bisa
A direita parlamentar volta a deter a Presidência da República, primeiro órgão de soberania que é actualmente ocupado também por um ex-líder do PSD, Cavaco Silva. Aliás, essa vitória foi neste domingo reivindicada pelo actual líder do partido, Pedro Passos Coelho, numa curta declaração.

Também Paulo Portas, líder cessante do CDS, festejou a eleição de Marcelo e salientou a importância de a direita ser mais uma vez maioritária. Ou seja, PSD e CDS reivindicaram a vitória das presidenciais, ainda que Marcelo não tenha sido o candidato desejado por Passos Coelho.

A vitória de Marcelo Rebelo de Sousa faz-se perante a derrota dos candidatos de esquerda, mas faz-se também perante a derrota do PS e do Governo socialista liderado por António Costa. É linear que o Governo e os socialistas saíram derrotados das presidenciais, mas a eleição de Marcelo Rebelo de Sousa como Presidente não pode ser considerada como uma solução adversa a António Costa na sua qualidade de chefe do Governo.

Refira-se que o primeiro-ministro conhece o novo Presidente há mais de três décadas, tendo sido seu aluno na Faculdade de Direito de Lisboa, onde se formou. Depois disso, entre 1996 e 1999, enquanto líder do PSD, Marcelo Rebelo de Sousa negociou diversos dossiers com o Governo socialista de António Guterres, onde Costa era secretário de Estado e depois ministro dos Assuntos Parlamentares.

A reacção de António Costa à noite eleitoral revela esse tom cordato e de cooperação institucional. O primeiro-ministro fez questão de “reafirmar o compromisso de “máxima lealdade e plena cooperação institucional”. Saliente-se ainda a preocupação que Costa mostrou em congratular-se por não ter tido sucesso nenhuma das candidaturas populistas.

Do ponto de vista institucional, saliente-se ainda que o Presidente cessante, Cavaco Silva, telefonou ao seu sucessor agora eleito, segunda a Lusa, felicitando-o e desejando-lhe “os maiores sucessos no exercício de funções de grande exigência e fundamental importância para o futuro de Portugal e dos portugueses”.

Consolidação do BE
À esquerda destaca-se o resultado de Marisa Matias, que consolida a posição do BE como terceira força partidária saída das últimas legislativas. O BE mostra nestas presidenciais que se coloca em posição de disputar eleitoralmente com o PS o espaço eleitoral à esquerda.

Se a 4 de Outubro o Bloco atingiu os 10,19% e os 550.892 votos, agora Marisa Matias conquista 10,13% e aproxima-se do meio milhão de votos, numa eleição em que a abstenção foi superior à das legislativas e foi disputada por dez candidatos.

Marisa Matias assume-se mesmo como uma dirigente proeminente dentro do Bloco, disputando o protagonismo partidário com Catarina Martins e indiciando que terá uma palavra a dizer no futuro do partido, onde também se tem destacado a deputada Mariana Mortágua.

O resultado de Marisa Matias face ao baixo resultado de Edgar Silva veio reforçar a posição do BE, não apenas no ranking partidário global, mas também relativamente ao PCP, confirmando uma superioridade eleitoral que se verificou nas legislativas. A 4 de Outubro, o PCP teve 8,25% com menos de 450 mil votos. Agora têm menos de duzentos mil votos. Os comunistas portugueses atingiram nesta eleição o seu pior resultado em termos de presidenciais, já que o pior resultado até agora tinham sido os 5,16% em 2001.

LER MAIS