Opinião

O terrorismo e o futuro da Europa

Nada pode destruir uma civilização do exterior se ela não estiver já em processo de erosão interna.

A Europa parece estar, finalmente, unida num propósito: no combate ao terrorismo, como decorre da invocação pela França do artigo 42.7 do Tratado da União Europeia, que apela à assistência mútua quando um dos membros é atacado, mesmo que a participação de cada um se faça com um empenho muito variável.

Os atentados demenciais que atingiram Paris a 13 de Novembro uniram os europeus e a União Europeia, que tem vivido um processo lento de erosão interna, simultaneamente potenciado pela incapacidade de dar resposta a problemas e crises importadas do exterior e, internamente, pelo lento mas constante avanço de correntes antieuropeístas, nacionalistas, populistas e xenófobas.

O terrorismo, primeiro com a Al-Qaeda e depois com o Estado Islâmico, tem minado os fundamentos da construção europeia, tornando os cidadãos mais fechados e intolerantes e menos disponíveis para aprofundar o projecto europeu. O grande ponto de viragem foi o 11 de Setembro, que teve posteriormente claros reflexos em momentos importantes na vida da União Europeia, trazendo a discussão cultural e religiosa para o debate político europeu, com consequências claras na rejeição do Tratado Constitucional e na hostilidade crescente à adesão da Turquia, que entretanto também se distanciou da Europa e se tornou mais conservadora e autoritária.

Depois do 11 de Setembro, os partidos de extrema-direita eurocépticos, populistas e nacionalistas foram-se tornando cada vez mais omnipresentes na grande maioria dos países membros da União Europeia, seja directamente pela participação em governos de coligação, seja pela sua expressão nos parlamentos nacionais. A crescente importância que tem ganho em França a Frente Nacional de Marine Le Pen é absolutamente preocupante para todos os democratas e europeístas, o mesmo acontecendo com o rumo que países como a Hungria e a Polónia estão a tomar, desafiando em permanência os valores e princípios humanistas que constituem os fundamentos do projecto europeu. Por outro lado, o Reino Unido, que viveu os horrores das Grandes Guerras, lá continua sobranceiramente o seu percurso de chantagem e afastamento da União Europeia, contribuindo também para a inquietação colectiva sobre o futuro do projecto europeu.

A União Europeia é fruto de um dos mais belos e promissores projectos políticos jamais criados pela humanidade, diametralmente proporcional ao que foi o horror das Grandes Guerras que marcaram tragicamente o Século XX. É acima de tudo um projecto liberal de paz, progresso e solidariedade. Mas nem por isso o fantástico percurso da União Europeia e os seus princípios e valores foram suficientes para impedir que a guerra chegasse à Europa. A determinação dos 28 em se envolverem no combate ao terrorismo, a presença militar em diversos teatros de conflito e os atentados terroristas que vão atingindo o nosso quotidiano com o seu horror aí estão para o demonstrar. E a lista dos atentados vai crescendo: Madrid em 2004, Londres em 2005, Bruxelas em 2014, Copenhaga em 2015, em Paris duas vezes em 2015. Sem contar, claro, com outros ataques de menor dimensão e com dezenas de tentativas de atentado em muitas cidades europeias que foram evitadas pelos serviços de segurança.

Existe actualmente uma elevadíssima instabilidade regional, de que o Médio Oriente ou a tensão absurda entre a Rússia e a Turquia são exemplos muitos preocupantes. No contexto de guerra em que estão a ser cada vez mais mobilizados soldados e meios militares europeus (e internacionais) para países como a Síria, o Iraque, o Mali e outros, a Europa devia estar verdadeiramente unida para aguentar o elevadíssimo potencial desestabilizador que estas ameaças representam, não apenas para cada país individualmente em termos de segurança, mas para o próprio projecto europeu.

Num curto espaço de tempo nos últimos anos a Europa foi abalroada por diversas crises para as quais não estava preparada para responder, o que tem tido evidentes reflexos negativos nas opiniões públicas europeias: falhou na resposta à crise financeira, ao conflito na Ucrânia por falta de visão estratégica, e na crise dos refugiados, primeiro sendo incapaz de travar os fluxos migratórios e de evitar as mortes dramáticas no mediterrâneo e, depois, mostrando falta de solidariedade e erguendo muros, que sempre foram criticados na Europa, onde quer que fossem erigidos.

São demasiadas as ameaças vindas do exterior. Se internamente a Europa não estiver suficientemente forte e coesa, então será mais provável não aguentar os duros desafios que lhe chegam de fora. Nada pode destruir uma civilização do exterior se ela não estiver já em processo de erosão interna. E é por isso, por estarmos a falar de liberdade, segurança e desenvolvimento, que a Europa não pode falhar agora na resposta ao terrorismo.

Deputado do PS