Duas escolas que se superaram: “Temos bons professores que nos motivam”

A Dr. Mário Sacramento, em Aveiro, e a Dr. Manuel Gomes de Almeida, em Espinho, destacam-se pela positiva na diferença entre a média dos exames e o valor que era esperado alcançarem tendo em conta as características socioeconómicas dos seus alunos. As duas escolas ficam no distrito de Aveiro.

Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda

Há andaimes, taipais, obras. Há cinco anos que a Secundária Dr. Mário Sacramento com 3.º ciclo, em Aveiro, trabalha num terço do seu espaço. Há aulas em 19 contentores, o bar e a cantina também funcionam nesses módulos brancos, improvisa-se uma sala de Geometria Descritiva nas oficinas dos cursos profissionais, que também são usadas para aulas de História.

Todos os buracos são preenchidos com salas de aula, todos os cantos são aproveitados para espaços de convívio. Mesmo assim, não há queixas feitas à direcção e a escola volta a ter uma das melhores prestações do país.

Face ao contexto socioeconómico em que se insere, esperava-se que atingisse 2,94 valores nos exames do 9.º ano, mas conseguiu 3,8 — é a segunda escola pública que mais ultrapassa o seu valor esperado de contexto, tal como ele é calculado para o PÚBLICO pela Universidade Católica Portuguesa. Ocupa o 35.º lugar no ranking das escolas com 50 ou mais provas, sendo a segunda estatal com melhor média nos dois exames de final de ciclo.

Como se define e o que diz o VEC?

Inês, Marta, Vasco e Filipe são colegas de turma e estudam para o teste de Química do 10.º ano numa sala de professores improvisada em sala de estudo. A poucos metros da janela, estão contentores. Já fizeram testes ao som de máquinas das obras que derrubavam paredes. “É um bocadinho chato, mas vive-se bem com isso”, diz Inês Rico. É boa aluna, gosta da escola. “Tem bom ambiente e os professores fazem uma boa preparação para os testes."

Marta Sá concorda. Conseguiu 97% a Matemática e 74% a Português nos exames do 9.º ano que realizou em Junho passado. “O professor de Matemática fazia testes bastante exigentes e fomos muito bem preparados”, diz.

Filipe Abreu, a quem os colegas chamam “génio por natureza”, lembra que, no primeiro teste de Matemática do 9.º ano, a média foi de 42% e só houve sete positivas, uma delas o seu 50%. No exame nacional, teve 97% a Matemática e 85% a Português. “É uma boa escola, uma boa comunidade, há uma óptima relação de professores com os alunos”, refere Filipe.

Para Vasco Viegas, a exigência do professor de Matemática do 9.º ano deu frutos: “Em qualquer matéria que dava, explicava para que servia na vida. Preparava bem os alunos para os exames." Inês admite que, no início, ficava chateada com as notas de Matemática, mas agora percebe e agradece, porque os exercícios parecem-lhe mais simples. As obras, que deverão estar terminadas no segundo período, são um problema. “É um bocado chato fazer testes com um barulho que incomoda”, repara Marta.

Mais a norte, na escola-sede do Agrupamento Dr. Manuel Gomes de Almeida, em Espinho, estudam 1500 alunos, 62 turmas, do 5.º ao 12.º ano. É a terceira escola pública com a variação mais positiva na diferença entre a sua média de 12,9 às oito disciplinas mais concorridas do secundário e os 10,28 que era expectável atingir em função do seu contexto socioeconómico. Fez 540 provas no ano lectivo passado e está em 49.º lugar no ranking das escolas com 50 ou mais provas. É a 12.ª pública com melhor média no secundário.

Ana Walgode estuda ali. É campeã da Europa e vice-campeã do mundo em patinagem artística. Está no 12.º ano, tem média de 19 no 11.º ano, poderá seguir Medicina. É muito organizada no estudo, o tempo é ocupado entre a escola, os treinos, as competições. “A escola não deve preparar para os exames, mas para a vida futura”, defende. Os professores puxam pelos alunos, a carga horária “é aceitável”. “Temos tempos para estudar em casa e isso faz-nos pessoas mais autónomas”, comenta.

Atenção aos pormenores

Carlota Ferreira tem uma manhã e quatro tardes livres no 12.º ano de Ciências e Tecnologias. Tem 17 anos e é representante dos alunos no conselho geral do agrupamento de Espinho. As filas na cantina, que serve 800 refeições em três dias, já foram abordadas em reuniões, mas não afectam a avaliação que faz da escola. “É uma boa escola e isso nota-se. Não é a quantidade, mas a qualidade que importa."

Rodrigo Monteiro concorda. A escola dedica 90 minutos semanais para preparação de cada disciplina que vai a exames nacionais: “Experimentamos outros géneros de exercícios e recuperamos matéria de anos anteriores." A posição da escola no ranking não o espanta. “Os resultados que a escola consegue alcançar não são assim tão surpreendentes. Temos bons professores, que nos motivam, que nos incentivam a trabalharmos por nós próprios. Tenta-se que toda a gente chegue ao nível máximo que consegue alcançar." O colega Guilherme Paulino fala de “condições extraordinárias” e destaca que têm “excelentes professores, que motivam para alcançarmos os nossos objectivos”. O estudo, já se sabe, não se pode descurar. “Para termos bons resultados, é preciso um estudo contínuo, diário e ser persistente."

A escola de Aveiro está no contexto mais favorecido dos três que foram definidos pela equipa da Universidade Católica que colabora com o PÚBLICO na elaboração deste suplemento. A percentagem de alunos beneficiários da Acção Social Escolar, os mais carenciados, é uma das variáveis com base na qual são definidos estes contextos. Na Mário Sacramento, a sua percentagem é de 21%.

A taxa do 9.º ano em 2013/2014, último ano com dados para este indicador, foi baixa: apenas 1,6% dos alunos chumbaram. Com 675 estudantes no secundário e 335 no 3.º ciclo, a escola tem ocupado os primeiros lugares do ranking das escolas públicas. Mário Lavrador, director do agrupamento, que, no total, tem 1757 alunos, destaca várias componentes de um trabalho feito por 167 docentes. “Não é preciso fazer grandes revoluções, basta estar atento aos pormenores”, refere.

A escola de Espinho orgulha-se de mostrar os trabalhos dos seus alunos. Há desenhos, cadeiras restauradas, pinturas, colagens, uma tapeçaria que ganhou um prémio, espalhados por quase todos os espaços. É uma escola do contexto 2, mais desfavorecido, portanto, do que o ocupado pela Mário Sacramento – 31% dos seus alunos eram beneficiários da Acção Social Escolar (ASE) em 2013/2014.

Nesse ano, a taxa de retenção do 12.º ano foi de 25%. Os números fazem pensar. “Parece uma percentagem muito elevada, mas a verdade é que a maior parte dos alunos conclui o 12.º ano em tempo útil”, frisa José Ilídio Sá, director do agrupamento da Gomes de Almeida.

A percentagem de alunos com ASE tem-se mantido, mas há mais estudantes na cantina e mais situações de dificuldades vividas em família. Dentro das suas possibilidades, a escola tenta dar resposta a esses casos, garante José Sá. 

Ritmos diferentes

No ano lectivo anterior, a escola Dr. Manuel Gomes de Almeida, de Espinho, iniciou o projecto Ritmos no 7.º ano e que neste momento abrange também o 8.º. Todas as turmas desses anos têm as aulas de Matemática e de Português ao mesmo tempo. Os alunos são divididos em grupos, independentemente das turmas a que pertencem, para terem um acompanhamento à medida das necessidades.

O balanço do projecto, criado de raiz na escola espinhense, é positivo. Os grupos são mais homogéneos em termos de níveis de aprendizagem e têm ainda direito ao que chamam "um professor virtual", mas que na prática é um segundo docente em sala de aula. A divisão dos alunos é flexível e, por isso, sempre que se justifique, os grupos são refeitos mediante necessidades e dificuldades detectadas.

“Há um melhor acompanhamento e os bons alunos passam a ser melhores”, adianta Belmiro Costa, professor de Matemática e coordenador de departamento da disciplina da escola de Espinho. Costuma dizer aos alunos, meio a sério, meio a brincar, para não comprarem tudo feito, que é preciso fazer coisas.

A escola não quer robots. Quer tempo para os alunos reflectirem, utilizarem estratégias, serem autónomos. “Os professores são mais orientadores de trabalho do que fiscalizadores”, refere. A uma semana das férias de Natal, os professores de Matemática do agrupamento voltam a encontrar-se para uma formação, mesmo os do 1.º ciclo. “Este tipo de articulação produz os seus efeitos”, garante.

José Ilídio Sá, director do agrupamento, destaca o trabalho do corpo docente “grisalho”, de cerca de 260 professores. E isso reflecte-se nos resultados. Na cerimónia do quadro de valor e de excelência de 2014/2015, realizada no mês passado, destacou a performance dos alunos – ou seja, uma média positiva nas 14 disciplinas do 11.º e 12.º anos que foram a exame nacional e uma média superior à média nacional em 13 dessas 14.

Mário Lavrador, director do Agrupamento Dr. Mário Sacramento, também realça a dedicação de quem ensina. “O papel dos directores de turma é dos mais importantes. Fazem um trabalho excepcional, entregam-se aos seus alunos e famílias.” Há um trabalho sistemático em sala de aula, um acompanhamento dentro e fora das quatro paredes. “Temos professores muito profissionais, muito dedicados à sua profissão, que mostram aos alunos o que é importante.”

E também há mais vida para além das aulas. O espectáculo de dança apresentado no Teatro Aveirense é um sucesso. A dança é uma das ofertas educativas da escola, a par com Educação Tecnológica e História Local. No 3.º ciclo, os 45 minutos por semana de dança “têm tido uma aceitação extraordinária”. “É um sucesso tremendo.”

Como se fazem os rankings do PÚBLICO?