Portugal não consegue travar avanço da vespa-asiática

Espécie invasora já chegou ao distrito de Coimbra, embora o seu avanço, de norte para sul, decorra a uma velocidade mais lenta do que a verificada em França.

Fotogaleria
José Manuel Grosso-Silva com um dos vespeiros que chegam a ter um metro de altura Paulo Pimenta
Fotogaleria
Os vespeiros podem acolher cerca de 2000 vespas-asiáticas Paulo Pimenta
Fotogaleria
Fotogaleria

Portugal vai ter de aprender a conviver com a vespa-asiática, insecto predador de abelhas que, além de ser responsável por uma quebra na produção de mel, está também a preocupar as autoridades, pelo à-vontade com que instala os seus enormes e populosos vespeiros em zonas urbanas.

Estas duas características levaram as autoridades nacionais a definirem um plano de acção para controlo desta espécie invasora, que constitui também uma ameaça à biodiversidade e à saúde pública. Mas, no terreno, as organizações de apicultores e os bombeiros, que assumem o trabalho de identificação e destruição de ninhos, queixam-se de falta de apoio e pedem mais verbas nacionais para uma tarefa que se multiplica de dia para dia.

Só neste ano já foram destruídas muitas centenas de ninhos de vespa-asiática nos distritos de Viana do Castelo, Braga e Porto, os mais afectados pela presença desta Vespa velutina nigrithorax. Não há um número exacto, só os que cada concelho vai revelando. Portugal tem uma plataforma online, a SOS Vespa, para mapear todas as ocorrências, mas esse instrumento está refém da colaboração de cidadãos e instituições na notificação, electrónica, dos casos. Por isso, a informação que ali surge não está actualizada, garantiram ao PÚBLICO várias entidades que, no terreno, se têm envolvido no combate a esta espécie,

A Vespa velutina é uma espécie exótica, mas não está ainda sequer classificada como tal, no nosso país. Essa prerrogativa de classificação cabe ao Instituto de Conservação da Natureza e Florestas, que gere também o sistema de informação SOS Vespa, mas sobre este tema não foi possível, no final da semana passada, obter explicações deste organismo, dado o facto de estar “fora do país” quem as poderia dar, explicou ao PÚBLICO o gabinete de comunicação do ICNF. Esta entidade tem um papel de coordenação, no Plano Nacional de Acção para a Vigilância e Controlo da Vespa velutina em Portugal, tal como o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV), ao qual foi atribuída a coordenação das acções de formação e de divulgação.

Problema era só do Alto Minho...
No plano que data já de 2014, todo o trabalho de vigilância passiva e activa, controlo e destruição ficou nas mãos dos produtores e das entidades municipais, bem como o grosso da despesa com equipamentos e outros recursos necessários para eliminar esta ameaça que não gosta das zonas frias do interior, mas na faixa atlântica avança para sul ao ritmo de 30 quilómetros por ano. Portugal “perdeu uma oportunidade de controlar com maior eficácia” a expansão da Vespa velutina no território continental, lamenta António Cruz, comandante dos Bombeiros Municipais de Viana do Castelo e um dos homens que, desde 2012, foram obrigados a aprender o mais que pudessem sobre ela, para melhor a combater.

Este insecto foi detectado no final de 2011, precisamente em Viana, numa altura, nota Cruz, em que a sua ecologia na Europa “era já bem conhecida”, por via da atenção que em França lhe era prestada há anos. “Tínhamos muita informação disponível. Faltou um ataque mais intenso, coordenado, e com alocação de meios nacionais, para evitar a sua propagação. Mas como isto estava confinado ao Alto Minho, as entidades nacionais demoraram a reagir…”, lamenta, numa crítica repetida pelos apicultores da região que desde cedo puseram pés ao caminho e começaram a contactar as associações e universidades de Espanha e de França, país onde numa década a vespa colonizou 70% do território.

Na verdade, e dada a excelente capacidade de adaptação às condições no terreno e o ritmo de reprodução da espécie, António Cruz não sabe se teria sido possível travar totalmente a evolução que o fenómeno teve. “Mas pelo menos saberíamos que tínhamos tentado”, insiste. Neste momento, o investigador José Manuel Grosso-Silva, entomólogo do Cibio, centro de investigação da Universidade do Porto, não tem dúvidas de que a parente asiática das vespas que já existem em Portugal veio para ficar, e que neste momento o país vai ter de melhorar os mecanismos de detecção e controlo preventivo.

O PÚBLICO tentou, sem sucesso, perceber junto do INIAV em que pé está o financiamento, por parte do Proseur — Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos, de acções direccionadas para o estudo desta espécie, para as quais foi aberto concurso. Segundo o entomólogo do Cibio, é necessário perceber vários aspectos do comportamento desta vespa, para melhor medir o seu impacto nas abelhas, noutros insectos que também matam e na biodiversidade, dada a importância das suas presas na polinização.

Adapta-se muito facilmente
Apesar de estar há pouco tempo em Portugal, a Vespa velutina tem comportamentos adaptativos muito rápidos, o que explica, pelo menos em parte, o seu sucesso. A bibliografia explica que costuma fazer vespeiros em pontos altos — normalmente árvores —, mas já têm sido detectados ninhos em zonas arbustivas, dentro de casas e em árvores de fruto perto de habitações. O à-vontade com que se instala em cidades, onde o número de abelhas é menor, indica que a sua dieta se reconfigura às disponibilidades de determinada zona. E tornou-a, dada a proximidade do homem, um problema de saúde pública.

O seu ciclo de vida é diferente do que é descrito, por exemplo, em França, nota o biólogo, que em Janeiro de 2012 escreveu o primeiro artigo sobre a presença da vespa-asiática em Portugal para a revista galega Arquivos de Entomoloxia. Lá, normalmente, as fundadoras abandonam em Novembro os grandes vespeiros em que nascem e crescem, para hibernarem durante o Inverno, e nessa altura, na colónia, a rainha, os machos e as obreiras morrem. Mas, muito atentos, os apicultores têm detectado casos, em zonas mais próximas do mar, em que há vespas activas em Janeiro.

Tal deve-se, muito provavelmente, não apenas ao clima mais ameno, mas também à disponibilidade do seu alimento favorito: as abelhas. Segundo o presidente da Associação Apícola de Entre Minho e Lima (Apimil), Alberto Dias, muitos produtores fazem a transumância de colmeias das zonas altas para a faixa litoral, onde, protegidas das temperaturas negativas, as abelhas ainda continuam a produzir mel, graças à floração mais tardia dos eucaliptos, por exemplo. As vespas-asiáticas agradecem e, como habitualmente, colocam-se à entrada das colmeias, esperando as obreiras que chegam com o pólen, para as capturar.

A praga veio juntar-se a outros problemas da apicultura, como a morte de abelhas provocada pelo uso de pesticidas, pela varroa e outras doenças e, em anos como este, pela seca, que lhes roubou também muito alimento. “Cercadas” pelas vespas, as abelhas deixam de sair, produzem menos mel, enfraquecem e morrem. “É um problema económico grave”, alerta o presidente da Federação Nacional do Sector, Manuel Gonçalves. Para além de terem de repor as colmeias, comprando abelhas, os produtores, nota Alberto Dias, estão a gastar mais em alimentação das que, a custo, vão sobrevivendo.

Segundo Alberto Dias, as 14 mil colmeias existentes no distrito de Viana, exploradas por cerca de 340 apicultores, registaram este ano uma quebra na produção “da ordem dos 50%”. “Num ano normal, a produção de mel pode ser superior às 200 mil toneladas. Este ano, foi muito fraco, com uma produção de cerca de 100 a 120 mil toneladas”, explicou. Segundo o dirigente associativo, na Galiza, os apicultores também “sofreram perdas significativas”, cerca de “60% a 70% na produção de mel”.

A Vespa velutina terá entrado no espaço europeu através do porto de Bordéus, em 2004, e em 2010 era já detectada no País Basco, em Espanha, país onde está também a disseminar-se, por todo o Noroeste, e na Catalunha, tendo chegado até às ilhas Baleares. A Viana, o comandante António Cruz, dos sapadores locais, acredita que ela chegou num carregamento de madeira de Bordéus para a fábrica de papel, dado o facto de os primeiros ninhos terem aparecido na envolvente à unidade.

Vespeiros com 2000 insectos
No Inverno, as fundadoras desta espécie hibernam sob a casca de algumas árvores, por exemplo, sendo difíceis de detectar. Na nova localização, acordam no início da Primavera e criam, individualmente, o primeiro ninho. Este é pequeno, pode surgir nos mais variados locais, e é nele que nascem as obreiras, que, depois, durante o Verão, têm a tarefa de construir o enorme vespeiro — para 2000 vespas —, onde haverá umas 150 novas fundadoras. Destas, diz a bibliografia, pelo menos meia dúzia deverá conseguir criar uma nova colónia.

Desde 2012 que os vespeiros vêm sendo destruídos com recurso a fogo, a um ritmo diário, por todo o Norte, a oeste das zonas mais montanhosas. Em Viana foram mais de 1300, em quase três anos, mas todos os dias os bombeiros locais fazem em média seis operações de despistagem. O trabalho repete-se por todos os concelhos da região e, pouco a pouco, a Vespa velutina vai aparecendo noutras regiões mais a sul, como o distrito de Aveiro e, num caso, já no distrito de Coimbra.

A comunidade científica portuguesa interessou-se rapidamente e tem apoiado os produtores, “graciosamente”, elogia Alberto Dias, que, como José Manuel Grosso-Silva, considera essencial que se financiem estudos comparativos sobre métodos de detecção e controlo da vespa-asiática antes da fundação das colónias, forma mais efectiva, acreditam, de travar o avanço da espécie. Até aqui têm sido os próprios produtores que têm estudado armadilhas que atraiam as fundadoras no momento em que elas terminam a hibernação.

“Na investigação, falta fazer quase tudo”, alerta João Valente, dirigente da Associação de Apicultores do Norte, que tem vindo a desenvolver as suas armadilhas para a velutina, e considera que, neste campo, a experiência francesa não ajudou quase nada. Em Portugal, as receitas já testadas incluem substâncias açucaradas que elas procuram, como o mel e a groselha, e cerveja ou vinho, pois as abelhas não gostam de álcool e, assim, não são atraídas para estas armadilhas. Este antigo dirigente da Quercus, que tem ajudado os sapadores do Porto no combate a esta invasora, avisa que o combate preventivo tem de ser selectivo, sob pena de atingir outros insectos, aumentando ainda mais o já pernicioso efeito da vespa-asiática na polinização e, por via disso, na biodiversidade.

Notícia corrigida às 10h20. A fábrica de papel não pertence à Portucel