O ano da "resiliência" deu à EDP um lucro de 1040 milhões

Empresa liderada por António Mexia pondera ir ao mercado levantar 750 milhões de euros com uma emissão de dívida a dez anos

EDP pagou 311 milhões de euros em impostos em 2014
Foto
EDP pagou 311 milhões de euros em impostos em 2014 Paulo Ricca

Resiliência. Ao longo de 2014, em momentos de apresentação de resultados trimestrais, o presidente da EDP, António Mexia, foi destacando a capacidade da empresa em compensar impactos negativos com controlo de custos e gestão competente. E foi o que voltou a fazer esta terça-feira na apresentação dos resultados anuais de 2014, ano em que o lucro da eléctrica cresceu 4%, para 1040 milhões de euros, ficando ligeiramente acima do esperado pelos analistas financeiros. Foi o ano em que uma “maior hidraulicidade, boa gestão e controle de custos" conseguiram absorver efeitos negativos como "os custos regulatórios e maior impacto dos impostos”, afirmou Mexia, citado pela agência Lusa.

O lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (EBITDA) da EDP melhorou apenas 1%, para 3642 milhões de euros. A penalizar os resultados estiveram os impactos cambiais, a seca extrema no Brasil e as medidas de regulação na Península Ibérica. A margem bruta recuou 2%, para 5367 milhões de euros.

Segundo o comunicado divulgado pela EDP, em Espanha, a alteração do quadro regulatório aplicável à actividade eólica e os preços de mercado mais baixos fizeram encolher o EBITDA em 75 milhões de euros.

Já no Brasil, a desvalorização do real face ao euro tirou 55 milhões de euros às contas e os resultados foram ainda afectados por custos de electricidade mais caros, resultantes da seca extrema, que tiveram impacto negativo de 121 milhões de euros. Ainda assim, a contribuição da EDP Brasil para o EBITDA do grupo subiu 3% (mais 18 milhões de euros).

É que além da venda de activos, no Brasil, ao contrário do que aconteceu com Espanha, as alterações regulatórias tiveram um impacto positivo de 64 milhões de euros, permitindo à empresa “o reconhecimento contabilístico dos recebimentos futuros da actividade regulada”.

As contas de 2014 também reflectem as mais-valias com a venda de activos. Em Espanha, em 2013, a alienação de activos de transmissão de gás tinha resultado em mais-valias de 56 milhões de euros, enquanto em 2014, a venda à CTG de 50% do capital das barragens Jari/Cachoeira-Caldeirão, Brasil, teve um efeito positivo de 131 milhões de euros.

No ano passado os custos operacionais da EDP recuaram 6% face a 2013, para 1450 milhões de euros. O investimento global do grupo atingiu aproximadamente 1800 milhões de euros (menos 20% face a 2013 e deverá continuar a cair até 2017). Segundo a empresa, o investimento de expansão totalizou 1249 milhões de euros, essencialmente nova capacidade hídrica e eólica.

A dívida líquida manteve-se na ordem dos 17 mil milhões (com uma diminuição de 41 milhões de euros), apesar de a empresa ter destacado a diminuição do endividamento como uma prioridade. Actualmente, o rácio dívida líquida/ EBITDA é de 4,7 vezes, mas o compromisso da EDP é ter um rácio de três vezes o EBITDA em 2017.

Na conferência de imprensa desta terça-feira, António Mexia admitiu que a empresa poderá ir ao mercado levantar dinheiro para aproveitar a queda dos juros. "Estamos a ponderar ir ao mercado com uma emissão a dez anos", referiu o gestor, que revelou que a operação deverá ser realizada até ao final do primeiro semestre, num montante que não será inferior a 750 milhões de euros.

"O que está claro é que as taxas de juro estão hoje muito abaixo do custo médio do financiamento, actualmente nos 2%", disse António Mexia, notando que a emissão virá num momento em que as agências de notação financeira Moody's e Fitch voltaram a atribuir avaliações de investment grade (grau de investimento) à EDP, enquanto a Standard & Poors melhorou o outlook (perspectiva de evolução) para positivo.

A EDP (que vai propor aos accionistas um dividendo de 0,185 euros) afirmou ainda ter pago 311 milhões de euros em impostos em 2014, com uma taxa efectiva de 19%, além de outros 61 milhões de euros relativos à contribuição extraordinária sobre o sector energético, que se repetirá em 2015. Sobre esta contribuição, Mexia notou que a EDP a aceita no pressuposto de que é um contributo “temporário e limitado no tempo" e "num contexto de esforço de ajuda à economia portuguesa, independentemente das dúvidas jurídicas e legais" que suscita.