Bolsas europeias reagem em baixa às eleições gregas

Um dia depois da vitória do Syriza, mercados mostram alguma instabilidade.

Grécia terá de adoptar 38 medidas de austeridade
Foto
Bolsa grega lidera perdas. Yannis Behrakis/Reuters

No dia seguinte às eleições na Grécia, que deram a vitória ao Syriza, as principais praças europeias abriram em terreno negativo, com Lisboa a seguir a mesma tendência.

Entre a 8h e as 9h30, as negociações mostraram alguma instabilidade, embora ao longo da manhã haja sinais de alguma recuperação.

Apesar de Alexis Tsipras, líder Coligação de Esquerda Radical, já ter dito que não vai entrar em ruptura com os credores, também é clara a sua oposição a mais medidas de austeridade, como as que têm sido seguidas na União Europeia, algo que poderá estar a influenciar a decisão dos investidores.

A bolsa de Atenas é a que está mais vulnerável e abriu a cair 2,04%. Pressionada pelos receios de uma renegociação da dívida, ao longo da manhã a perda acentuou-se e ultrapassou os 5%.

Na Alemanha, o mercado de Frankfurt também se ressentiu e iniciou a semana a perder 0,53%, tendo entretanto (9h20) recuperado 0,24%.

A bolsa de Londres abriu igualmente em terreno negativo, com o índice FTSE-100 a perder 0,57% nas primeiras transacções desta segunda-feira, mas uma hora depois a perda já era menor (-0,39%).

Também Paris não escapou à tendência das suas congéneres europeias e as primeiras transacções apontavam para uma perda de 0,45%, tendo posteriormente melhorado para -0,06%.

Na bolsa de Lisboa a abertura da sessão foi mais penalizadora, tendo chegado a recuar mais de 1% face à sessão da passada sexta-feira. Pelas 9h20, o recuo já era menor (de 0,08%), tendo o Banif, que estava a perder 3,23%, e a Teixeira Duarte, com uma recuo de 2,13%, protagonizado as descidas mais acentuadas

O euro, que iniciou a sessão no vermelho, segue agora a ganhar 0,30% face ao dólar.

Sugerir correcção