Embargo russo gerou queda drástica dos preços agrícolas em Portugal

Com o mercado inundado de pêras, maçãs ou cenouras, os preços estão a cair desde que, em Agosto, foi anunciada a proibição de venda para a Rússia. No caso da pêra-rocha, as reduções ultrapassam os 40% e os produtores nacionais fazem contas à vida.

Foto
Produtores de pera rocha vivem situação dramática Paulo Ricca/Arquivo

“Os nossos clientes começaram-nos a contactar logo no dia seguinte a dizer que os preços estavam a sofrer uma pressão muito grande de produtores de outros países, como a Holanda, França, ou Espanha. O problema é geral: se há excesso de oferta o consumidor vai optar sempre pelo produto mais barato, deixando de comprar os outros”, afirma.

Na Frutoeste, organização de produtores de pêra rocha, limões e maçã, a exportação pesa 70% do negócio (sobretudo pêra), mas o impacto do embargo russo está a ter consequência indirectas, que vão muito além do fim das vendas para aquele mercado. A Rússia é o segundo maior comprador de produtos agrícolas da União Europeia e 73% dos bens embargados são fornecidos pelos Estados-membros da UE. A resposta política de Moscovo às sanções económicas e financeiras impostas pela União Europeia, Noruega, Estados Unidos, Austrália e Canadá (na sequência do conflito na Ucrânia) já está a provocar uma descida de preços na fruta, vegetais, carne de porco ou leite e, num mercado globalizado, o que afecta uns, afecta todos.

No início do mês, 300 agricultores polacos protestaram em Varsóvia a exigir mais ajudas a Bruxelas. A Polónia é o maior exportador de maçãs do mundo, produz anualmente três milhões de toneladas e vende cerca de um terço à Rússia. O fim do comércio com o seu principal cliente deixou os produtores desesperados. As maçãs polacas entraram, assim, noutros países, aumentando a oferta de um dia para o outro, fazendo, por isso, descer os preços.

Domingos dos Santos, que também é presidente da Federação Nacional das Organizações de Produtores de Frutas e Hortícolas (Fnop), sublinha que “o problema não são as oito mil toneladas de exportações da fileira em Portugal”. “Na mais recente feira do sector em Madrid, a Polónia tinha um stand enorme para promover as suas maçãs. Vêm do norte da Europa, para o Sul, estão a tentar vender em todo o lado e a preços muito mais baixos”, conta. No caso da pêra rocha, as descidas de preços são na ordem dos 40 a 50%, face ao valor normal de campanha, adianta.

Os valores são semelhantes ao que se passa noutros países europeus. Há pouco mais de uma semana, Pekka Pesonen, secretário-geral da Copa Cogeca, que representa os agricultores na União Europeia, alertava para uma descida abrupta dos preços de 50% em alguns sectores. Este era, aliás, um dos receios de Bruxelas quando avançou com as medidas de apoio extraordinárias aos produtores de frutas e legumes que, no total, totalizam 290 milhões de euros (ver caixa).

João Machado, presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal, diz que no caso da pêra rocha, característica da região do Oeste, a influência do embargo “é brutal”. “Há muita concorrência no mercado da fruta e no caso da pêra rocha os preços à produção baixaram, por vezes, abaixo do preço de custo, o que é preocupante”, afirma. Este movimento de descida afecta outros produtos e João Machado admite que à CAP têm chegado queixas. “Há os produtores que estão abrangidos pelo embargo [ou seja, que vendiam para a Rússia] e os que estão a sofrer com a baixa de preço por via do aumento de concorrência. Mas ainda não é um problema global e em Portugal está bastante mais minimizado do que noutros Estados membros”, desdramatiza.

Carlos Marques também esteve na mesma feira em Madrid e viu o investimento em promoção externa feito pela Polónia. A Hortapronta foi das primeiras organizações de produtores (OP) a conseguir apoios de Bruxelas à retirada de produtos. Os seus 140 produtores entregam couve coração, couve lombarda, alho francês, cenouras e batatas na central hortofrutícola instalada na Atouguia da Baleia, às portas de Peniche. As ajudas incidiram apenas sobre a cenoura, agora destinada ao Banco Alimentar contra a Fome - a instituição que está a receber e distribuir os excedentes.

“Neste momento, como não estamos a exportar, estamos a ficar com stocks de batata nas câmaras frigoríficas. A maior dificuldade será quando estivermos em plena produção”, diz. Esta OP tem três mil toneladas de batata armazenadas e Carlos Marques diz que, em tempo útil, “é muito difícil encontrar mercados alternativos”. “Em África temos a concorrência directa dos holandeses e dos belgas”, ilustra, acrescentando que o esforço de venda está a ser feito no mercado nacional. Talvez por isso - e de acordo com uma recolha feita pelo PÚBLICO numa das maiores cadeias de distribuição - o preço da cenoura desceu de 0,65 cêntimos na primeira semana de Abril para 0,39 cêntimos na passada sexta-feira. Ou seja, 33% menos.

Nos restantes produtos, colhidos diariamente pelos produtores associados da Hortapronta, é mais fácil “equilibrar as quantidades”. “Ainda assim, os preços caíram 50 a 60%”, garante Carlos Marques. A queda de valores na produção não é explicada apenas pelo embargo russo. Os portugueses travaram nos gastos em todas as categorias de alimentos e isso também afectou o negócio dos agricultores. Os dois ingredientes juntos (quebra de consumo e embargo russo) são uma mistura explosiva. “Ou a União Europeia responde com outras medidas excepcionais ou a agricultura não vai aguentar. Neste momento, os agricultores já não têm dinheiro para produzir. É sempre a perder dinheiro”, diz.

Em respostas enviadas ao PÚBLICO, fonte oficial do Ministério da Agricultura cita as cotações de preços e diz que os preços da maçã royal gala desceram 25% na última semana disponível. No caso da pêra, os valores em Leiria são 24% inferiores ao ano passado e 22% abaixo da média do triénio de 2010-2012. No leite, subiram ligeiramente em Setembro, mas são 5% inferiores face ao ano passado. E na carne de porco, outro dos produtos afectados, o preço caiu 22% desde o início de Setembro, ao mesmo tempo que se registou um aumento da produção (de 1,6% face ao ano anterior).

O ministério estima que o impacto directo do embargo russo nas exportações nacionais seja de 15 milhões de euros, uma pequena fatia dos 50 milhões anuais, já que sectores como o vinho ou o azeite não estão abrangidos. A busca de mercados alternativos tem sido apontada como uma solução, mas não terá efeitos práticos imediatos. Além do tempo necessário para encontrar clientes, há países onde não está autorizada a venda de produtos como a pêra rocha (África do Sul, por exemplo).

Em tempos conturbados, os agricultores estão a tentar unir esforços. Domingos dos Santos conta que para acelerar a exportação em novos países, seis empresas (Campotec, Ecofrutas, Ferreira da Silva, Frutoeste, Granfer e Lusopêra) juntaram-se para criar a Unifarmers, que tem como missão identificar, promover e vender frutas e legumes de Portugal em países com potencial de consumo.