Governo ponderou ajuda pública ao BES, apesar de ter dito o contrário

Sugestão partiu de Carlos Costa e Maria Luís Albuquerque manteve-a na acta da reunião que teve com os chefes da supervisão – mesmo que, publicamente, rejeitasse essa hipótese. Foi a última reunião antes do fim do BES.

Foto
Daniel Rocha

Não houve, ao contrário do que disseram em público, quer Pedro Passos Coelho, quer Maria Luís Albuquerque, uma recusa liminar do executivo em recuperar o BES com dinheiros públicos. No dia 18 de Julho, 13 dias antes da “resolução” do banco, Maria Luís Albuquerque teve uma reunião com o governador do Banco de Portugal em que lhe foi sugerida, por Carlos Costa, a criação de um “grupo de trabalho para operacionalização de soluções alternativas para uma eventual recapitalização do BES com apoio público”.

A reunião decorreu no Ministério das Finanças e começou às 16h. Além da ministra e do governador estiveram presentes Carlos Tavares, presidente da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), e José Almaça, presidente do Instituto de Seguros de Portugal (ISP). Os quatro constituem o Comité Nacional para a Estabilidade Financeira (CNEF). Esta era a 13.ª reunião, como atesta a acta, assinada pela ministra, e feita pela sua chefe de gabinete, Cristina Sofia Dias, “que secretariou a reunião”. Foi, como revelou Carlos Tavares, o último “contacto com o Governo” do regulador bolsista antes do fim do GES. O “ponto único” da reunião era “a análise dos desenvolvimentos recentes do BES e do GES”. 

Na véspera, no dia 17, a ministra tinha ido ao Parlamento garantir: “Não estamos a preparar a recapitalização do BES.” “O Governo não se pronuncia, o Governo não interfere nessa matéria.” Aliás, garantiu Maria Luís, “nada indica que a recapitalização seja necessária”. Se nada o indicava no dia 17, no dia 18 essa era uma hipótese que constava de uma acta da reunião presidida pela ministra.

A única nota de (moderado) optimismo introduzida por Carlos Costa, na reunião nas Finanças, foi a existência de “vários investidores estrangeiros”, fundos e bancos, interessados em “participar num eventual aumento do capital do BES, uma vez clarificada a questão angolana e afastada a hipótese de bail-in dos credores do BESA”. Assim, se o BES estivesse a salvo do negócio angolano, não faltariam interessados. No mesmo dia 17 em que a ministra garantia aos deputados que não seria necessário recapitalizar o BES, Carlos Costa participou numa reunião do conselho de governadores do Eurossistema. 

Duas incertezas
Desse encontro com os congéneres europeus trouxe, para a reunião com os supervisores e a ministra, “duas grandes áreas de incerteza” sobre o BES: o tratamento das autoridades angolanas dado aos créditos do BES na sua filial BESA e a “liquidez” de alguns depósitos estrangeiros “que se caracteriza por envolver grandes montantes e ser muito volátil”. Foi esta a informação fundamental que a ministra recebeu, oficialmente, na reunião, tal como revela a acta. Carlos Tavares expressou “preocupação” com os clientes que tinham aplicações “na convicção de que têm depósitos” e quantificou em cerca de 2000 milhões o valor desses fundos vendidos aos clientes do BES. José Almaça, do ISP, “fez um ponto da situação” sobre a venda da companhia de seguros do grupo, a Tranquilidade (ver texto ao lado).

Ouvido anteontem na comissão de inquérito parlamentar (CPI) que investiga a gestão do GES/BES, Carlos Costa explicou que o cenário em cima da mesa, na altura em que se reuniu com o comité, era, de facto, o da recapitalização do BES. Um aumento de capital levado a cabo pelo próprio banco, na altura já sob gestão de Vítor Bento, se necessário, com recurso a capitais públicos. “Quando o CNEF se reúne a 18 de Julho, não havia os factos detectados a partir do fim-de-semana de 25, o que significa que não tinha sentido falar do plano B”, explicou o governador, quando a deputada Mariana Mortágua, do BE, lhe perguntou pela reunião de 18 de Julho.

Carlos Costa foi claro nesse ponto. “Só pudemos desencadear o plano B quando o A passou a ser impossível”, explicou, em resposta ao socialista Pedro Nuno Santos. Assim, para o governador, havia um plano A, a recapitalização, e um plano B, a resolução. Venceu o B, porque o banco não conseguiu apresentar um plano: “E isso só aconteceu quando o conselho de administração do BES anunciou que não conseguia em tempo útil elaborar um plano de capitalização.” Até 30 de Julho, o plano A era o que contava.

Voltemos, então, à acta n.º 13, da reunião da CNEF. Ao terminar a intervenção, o governador sugeriu a criação de dois grupos de trabalho. Um, do CNEF, “para partilha de informação”, o outro, só entre representantes das Finanças e do Banco de Portugal, “para operacionalização de soluções alternativas para uma eventual recapitalização do BES com apoio público”. Isso contrariava a informação dada pela ministra aos deputados, na véspera: “Não estamos a preparar a recapitalização do BES.” Afinal, estavam.

Carlos Costa, por seu lado, lembrou, na sua audição no Parlamento: “Os acontecimentos precipitaram-se.” E, adiantou, o grupo de trabalho que sugeriu criar com as Finanças nem chegou a reunir-se. O Governo, ao mais alto nível, não parecia ter o mesmo plano A que o governador. No dia 11 de Julho, falando em Castro Verde, Pedro Passos Coelho deixara um recado com destinatário óbvio: “Os contribuintes portugueses não serão chamados a suportar perdas privadas (...). Nós não utilizamos instrumentos públicos para resolver problemas de natureza privada”, afirmou.

No dia 12, falando no 40.º aniversário da JSD, o primeiro-ministro repetiu o argumento: “As empresas que olham mais aos amigos do que à competência pagam um preço por isso, mas esse preço não pode ser imposto à sociedade como um todo e muito menos aos contribuintes.”

Diferentes hipóteses em jogo
A posição do primeiro-ministro não impediu, como se vê, que a ministra das Finanças estivesse envolvida no estudo de outras hipóteses. O próprio ministro da Presidência, Marques Guedes, admitiu implicitamente, a 1 de Agosto, quando o destino do BES já estava traçado (pelo BCE), que podia haver dinheiro dos contribuintes em jogo. O ministro afirmou que “a primeira linha” de capitalização do banco “deve passar necessariamente primeiro pelo mercado, pelos accionistas privados”. A primeira linha, não a totalidade.

Mas, como Carlos Costa confirmou, a administração de Vítor Bento não conseguiu delinear um plano de recapitalização, e o BCE ameaçou, na noite de 31 de Julho, “o fim da qualidade de contraparte do BES, no dia seguinte”. Os dois factos são praticamente simultâneos, adianta Carlos Costa: “Quando tinha acabado de receber a carta do conselho de administração do BES a dizer que o plano A não ia para a frente, recebo a informação de que haveria uma teleconferência de governadores.”

O governador português conseguiu que Mario Draghi adiasse essa decisão até à segunda-feira seguinte, dia 4. A resolução do BES foi decidida “no dia 1 de Agosto ao meio-dia”, adiantou o governador. E mesmo a resolução só foi possível graças a dinheiros públicos. O Fundo de Resolução tinha apenas dois dias de existência, quando o BES precisou de recorrer a essa fonte de financiamento. Não tinha dinheiro. A ministra explicou isso mesmo, no Parlamento: “O que acontece é que o Fundo de Resolução chamado para a recapitalização do banco, uma vez que foi criado há pouco tempo, não dispunha de meios suficientes e, dada a urgência inadiável, pediu nos termos que a lei permite o apoio do Estado.”

Esse montante, no valor de 3400 milhões de euros, será mais tarde reembolsado pelos bancos comerciais. Essa é a tese de Maria Luís Albuquerque, que sempre garantiu que o sistema financeiro no seu conjunto tem de pagar todo o montante que o Estado adiantou, independentemente do montante ou do prazo da venda do Novo Banco. Uma garantia que o futuro confirmará.