António Costa discursa no Congresso do Livre este domingo

Partido fundado por Rui Tavares convidou partidos de esquerda para intervir. BE não discursa.

Foto
António Costa vai ao Porto num momento em que as estruturas locias estão em turbulência Nuno Ferreira Santos

Além de Costa pelo PS, também Ana Drago, da Associação Fórum Manifesto, e Paulo Fidalgo, da Renovação Comunista, se dirigirão ao auditório do Centro Cultural Olga Cadaval, em Sintra, com uma declaração de cerca de cinco minutos. Ao que o PÚBLICO apurou, BE e PCP estarão representados por Rosa Rabiais e Ricardo Moreira, respectivamente, mas ambos os dirigentes optaram por não discursar.

“O Livre fica feliz por três organizações políticas importantes, entre elas o principal partido da oposição, estarem representadas no congresso, não só como observadores, mas também intervindo nos trabalhos”, disse Rui Tavares.

Para o ex-eurodeputado, este é um sinal de que é possível fazer política de uma forma “mais aberta e mais inclusiva à esquerda”, condição fundamental para a construção de uma nova maioria para governar o país após as eleições legislativas de 2015.

Sob o lema Juntar Vontades, Fazer Futuro, o Livre tem assumido que o PS é um parceiro essencial para a convergência que se pode fazer à esquerda. Na moção estratégica “Agora, o futuro”, que a direcção do partido apresenta ao congresso que decorrerá neste domingo, é reafirmado que a convergência não pode ser uma palavra oca e que o Livre trabalhará para concretizar esse objectivo.