Vítor Bento: da entrada no BES à saída do Novo Banco

Vítor Bento: Os últimos três meses foram de convulsão na banca nacional
Foto
Vítor Bento: Os últimos três meses foram de convulsão na banca nacional AFP/PATRICIA DE MELO MOREIRA

A equipa de Vítor Bento entrou para o Banco Espírito Santo (BES) mas acabou por ficar a gerir uma instituição mais pequena, tutelada, após a divisão do histórico banco em dois.

11 de Junho de 2014
O aumento de capital do BES, de 1045 milhões de euros, é totalmente subscrito com a procura a superar a oferta. O prospecto da operação inclui alguns dados de irregularidades nas contas da holding ESI.

10 de Julho
A ESFG anuncia pela manhã a suspensão da negociação das acções, devido a “dificuldades materiais em curso”, especialmente do seu maior accionista, a ESI. É o início da derrocada, mas os números globais ainda estavam por conhecer.

14 de Julho
Vítor Bento, líder da SIBS, surge como o novo presidente executivo do BES, cargo para o qual é cooptado. O mesmo acontece com José Honório, ex-presidente executivo da Portucel, e João Moreira Rato, presidente do IGCP, que assumem as cadeiras de vice-presidente e de administrador financeiro. Ricardo Salgado sai do banco após duas décadas.

17 de Julho
A ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, garante no Parlamento que a nacionalização está totalmente posta de parte pelo Governo e que não está em curso nenhum plano de recapitalização do BES com capitais públicos.

18 de Julho
Carlos Costa, governador do Banco de Portugal, diz no Parlamento que as irregularidades nas contas de empresas do GES só foram descobertas porque o regulador saiu da sua área restrita de supervisão.

24 de Julho
Ricardo Salgado é constituído arguido e ouvido pelo Tribunal Central de Instrução Criminal, no âmbito da operação Monte Branco.

28 de Julho
O Banco de Portugal emite um comunicado onde diz que, caso haja insuficiências de capital no BES, “o interesse demonstrado por diversas entidades em assumirem uma posição de referência no BES indicia que é realizável uma solução privada para reforçar o capital”.

30 de Julho
O BES apresenta o maior prejuízo de sempre na história da banca, no valor de 3577,3 milhões de euros. A gestão de Vítor Bento não assina as contas, mas divulga um comunicado onde diz que “será desencadeado de imediato um processo visando aumentar o capital do banco”. Isto porque, diz, se tem “assistido a manifestações de interesse de actuais e potenciais accionistas em participar no plano de capitalização”. Já o Banco de Portugal diz que é “desejável que o reforço de capital seja realizado com base em soluções de mercado e reafirma que a solidez da instituição está salvaguardada pelo facto de continuar disponível a linha de recapitalização pública”. Diz ainda que se assistiu à “prática de actos de gestão gravemente prejudiciais para os interesses do BES”.

3 de Agosto
O Banco de Portugal aplica uma resolução ao Banco Espírito Santo, dividindo-o em duas partes. Os activos problemáticos ficam no BES, o que implica perda para os seus accionistas e detentores de obrigações subordinadas. Todos os outros transitam para o Novo Banco. Vítor Bento e a sua equipa ficam à frente do Novo Banco, cujo capital é detido pelo Fundo de Resolução, na esfera do Banco de Portugal e das Finanças.

7 de Agosto
Em entrevista à SIC, Vítor Bento diz que só aceitou o convite "inesperado" para liderar o BES porque entendeu tratar-se de "um dever quase patriótico" Depois, sublinhou que quando o desafio lhe foi colocado o quadro era “muito menos dramático do que se veio a revelar". Agora, o seu desafio era tornar o Novo Banco “rentável, que é um desafio que vai levar o seu tempo”.

20 de Agosto
Novo Banco inicia campanha de mudança de imagem, que culminará com a retirada do nome BES de todos os balcões.

26 de Agosto
A administração do Novo Banco reúne com o governador do Banco de Portugal após o seu regresso de férias. O comunicado enviado pelo Novo Banco, que espera uma clarificação do seu mandato, diz que o regulador solicitou “a preparação de um plano apontado ao desenvolvimento sustentável do banco e que ajude a atrair investidores que possam formar uma estrutura accionista estável”.

10 de Setembro
Tomada de posse dos dois novos administradores do Banco de Portugal. Gestores do Novo Banco não vão à cerimónia.

13 de Setembro
Vítor Bento anuncia que apresentou a demissão do seu cargo no Novo Banco, tal como José Honório e João Moreira Rato.