Reportagem

Estilhaços de confronto CGTP/UGT chegam à manifestação no Porto

Milhares de trabalhadores do Norte e do Centro desfilaram da Praça do Marquês à Praça da Liberdade, a exigir eleições legislativas.

Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

O discurso de quatro páginas que Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP, preparou para este sábado não continha qualquer referência ao que chama “a provocação” de Carlos Silva, secretário-geral da UGT. Mas ao subir ao púlpito, na Praça da Liberdade, no Porto, não conseguiu ignorá-la.

Arménio Carlos ainda não lera, mas já alguém lhe contara que Carlos Silva tinha acusado a CGTP de ser “uma organização autofágica”. “Quando se deixam amarrar por princípios político-partidários em que há um partido, o PCP, o mais ortodoxo de toda a Europa Ocidental, que faz da sua política uma política de destruição, de separatismo, de sectarismo, de oposição a tudo o que é unidade e, sobretudo, de rejeição da convergência a não ser que a convergência lhes dê jeito , então como é que os trabalhadores se podem sentir confortados?”, questionara, em Vila Nova de Cerveira, segundo a Lusa.

“Não reagimos a declarações ofensivas e de baixo nível”, comentou ao PÚBLICO, ao descer da camioneta que lhe servira de púlpito. “São declarações que tentam desviar a atenção do povo português do que interessa. Não vamos entrar nesse processo. As propostas de lei que estão em marcha são dirigidas a todos os trabalhadores sindicalizados nos sindicatos da CGTP, da UGT ou independentes, e aos trabalhadores não sindicalizados. O momento exige unidade na acção.”

Ao dirigir-se a quem resistia ao calor, procurara explicar o que em seu entender mais importa. “Este é um Governo troca-tintas que, depois de ter assumido publicamente que não voltava a mexer na legislação laboral, avança agora, traiçoeiramente, com novas alterações”, enfatizara. “Eles querem aproveitar o período do Verão, o futebol, os santos populares e as férias para, sorrateiramente e pela calada, tentar desmantelar um dos alicerces fundamentais da nossa democracia: a contratação colectiva.”

Referira, no entanto, "a provocação" da UGT. E não se esquecera  de incluir no seu discurso o que antes irritara Carlos Silva: “A nova troika formada pelo Governo, confederações patronais e UGT, com a proposta de lei que se encontra em discussão até 26 de Junho, pretende destruir a contratação colectiva, reduzir direitos e contribuições e prolongar o período para a redução do valor do trabalho extraordinário até ao final do ano”.

Alheias a tal confronto pareciam as pessoas que por volta das 15h30 se concentraram na Praça do Marquês e desceram –  via Rua da Constituição, Rua Antero de Quental, Praça da República, Rua Gonçalo Cristóvão, Rua de Camões, Avenida dos Aliados –  até à Praça da Liberdade a gritar:

- Lutar e resistir…

- Até ao Governo cair.

- Só mais um empurrão

- E o Governo vai ao chão.

- Governo dos patrões…

- Queremos eleições.

Luís Freitas, de 41 anos, viera de Bragança com o sobrinho, Diogo, de 14. O motorista da Unidade Local de Saúde Nordeste diz-se desiludido e revoltado. Em vez de progressão de carreira, enfrenta congelamento de salários e subida de impostos. Não era isto que esperava quando começou a trabalhar para o Estado, há quase 20 anos. “Chego ao fim do mês num sufoco financeiro”, suspira.

Desta vez, tinham sido convocados os do Norte e de parte do Centro. Cristina Fernandes, assistente operacional, 44 anos, e Virgínia Coelho, professora, 43 anos, vieram do distrito de Leiria. Vão a todas as manifestações que podem. “Não é um hobby”, brincava Virgínia. “Hobby é ler, ouvir música, estar com amigos. Isto é luta.” Luta, esclarecia Cristina, “por uma sociedade mais justa”. Dia 21, a manifestação é em Lisboa. Talvez lá estejam.