Seguro culpa PCP por impedir "cara a cara" com Passos

Socialista faltou ao debate da moção de censura do PCP.

Foto
Daniel ROCHA

O líder do PS, António José Seguro, optou por faltar ao debate da moção de censura proposta pelo PCP e falar aos jornalistas no Parlamento, ao mesmo tempo que decorre o plenário.

De viva voz, Seguro quis justificar a ausência no debate e atirou as culpas para o PCP. “[A moção de censura] é um frete ao Governo”, afirmou, acrescentando que o PCP “tem feito” vários “fretes” ao executivo de Passos Coelho e exemplificou com a moção de censura apresentada pelo Partido Ecologista Os Verdes, no ano passado, durante a crise política. 

Questionado sobre a sua ausência no plenário já assinalada pelo primeiro-ministro, Seguro disse que o que estava previsto era um “cara a cara” com Passos Coelho e que “o PCP impossibilitou” esse debate quinzenal que estava agendado para esta sexta-feira. “O PCP impossibilitou que eu estivesse aqui às dez [da manhã] a confrontar o primeiro-ministro com os enganos aos portugueses”, afirmou o líder dos socialistas.

O debate da moção de censura foi marcado para esta sexta-feira substituindo o debate quinzenal previsto com o primeiro-ministro. 

Seguro recusou comentar o artigo de opinião publicado esta sexta-feira pelo PÚBLICO, da autoria de Mário Soares, reiterando que falará primeiro ao partido. O secretário-geral do PS disse que entrará no plenário para votar a moção de censura. Momentos antes das declarações aos jornalistas, Seguro percorreu o corredor até à zona dos Passos Perdidos onde estão os meios de comunicação social e abraçou alguns deputados, entre os quais João Soares.

Passos diz que está no Parlamento, apesar do mau resultado 
Antes das declarações de Seguro fora do plenário, o primeiro-ministro aproveitou a sua intervenção de resposta a Alberto Martins, líder da bancada do PS, para assinalar a ausência do secretário-geral socialista no debate da moção de censura.

“Pode ser que [PSD e CDS] não tenham tido um bom resultado, mas isso não me impediu de estar aqui no Parlamento a responder aos senhores deputados”, afirmou Passos Coelho, sem referir o nome de Seguro.

O primeiro-ministro questionou directamente o secretário-geral do PCP sobre a posição do partido sobre a saída do euro. “O PCP tem que dizer: quer voltar a nacionalizar a economia? O que quer? Quer a saída do euro, que corresponde também a uma saída da União Europeia? O que está na moção é isso, que é preciso sair do euro, nacionalizar a economia”, perguntou. Logo a seguir, o líder do PSD deu a resposta às propostas dos comunistas: “Se essa instabilidade fosse criada, era um esbulho das poupanças dos portugueses, o regresso de uma moeda, regresso à espiral inflacionista, não era regresso a valores do 25 de Abril, era regresso a um 11 de Março que os portugueses rejeitaram.”

Em resposta à deputada Heloísa Apolónia, Passos Coelho rejeitou afastar totalmente a possibilidade de voltar a aumentar impostos. "Não me posso comprometer com o não aumento de impostos na medida em que não sei se pode ou não ser necessário. Mas o Governo tem um quadro definido para intervir que está no documento no DEO [Documento de Estratégia Orçamental]", referiu Pedro Passos Coelho.

Pelo PSD, o líder da bancada parlamentar aproveitou para apontar o dedo ao PCP, mas com a intenção de chegar ao PS. Luís Montenegro avisou que a “instabilidade” desta “moção inoportuna” não favorece o país, e que quem a defende pretende “censurar o esforço de consolidação do país”, “renegociar a dívida e preparar o país para a saída do euro”. “Este programa visa colocar Portugal isolado na Europa, tirar-lhe a capacidade de se financiar. Esta moção de censura quer Portugal no isolamento, no orgulhosamente sós.” Por isso, o social-democrata defendeu que “quem merece ser censurada é a oposição”.

Montenegro lembrou que “o PS já disse que não concorda com o teor deste programa” e que considera a moção “um frete ao Governo”, mas mesmo assim vai votar a seu favor. Um voto que é, afinal, uma “decisão administrativa” do PS, porque o partido tem a “gula do regresso ao poder o mais depressa que for possível”.

O líder da bancada do PSD tentou depois mostrar que, apesar das divergências internas sobre a liderança, o PS pensa todo da mesma maneira: tanto António José Seguro como António Costa “estão alinhados estrategicamente”, porque defendem ambos a moção de censura. E aproveitou para criticar o facto de na bancada do PS “cada deputado votar como entender, inclusive em questões estruturantes como uma moção”, mostrando a desagregação dos socialistas.

Na outra bancada que apoia o Governo, o líder parlamentar, Nuno Magalhães, deu nota de que o líder do PCP tentou fazer uma “versão light” da moção, no discurso inicial, não dizendo “o que escreveu” no texto da moção. Para o centrista, o texto preconiza o “PREC e o gonçalvismo”, qualifica Bruxelas e o Banco Central Europeu como “forças agressoras” e “censura os partidos que assinaram o Tratado Orçamental”. A proposta de sair do euro significa, segundo Nuno Magalhães, a “desvalorização imediata das poupanças dos portugueses, o aumento imediato da dívida pública e o deitar fora os sacrifícios e foram muitos”.