Torne-se perito

G7 convocado a reunir-se sem Moscovo, depois de Putin receber a Crimeia na Rússia

Mulher com um calendário de Estaline, em Sebastopol, na Crimeia, enquanto Vladimir Putin discursava
Foto
Mulher com um calendário de Estaline, em Sebastopol, na Crimeia, enquanto Vladimir Putin discursava Baz Ratner /REUTERS

Barack Obama convidou os dirigentes do G7 e da União Europeia a reunirem-se na próxima semana em Haia, na Holanda, para considerarem novas respostas à integração da Crimeia na Federação Russa. De acordo com o ministro francês dos Negócios Estrangeiros, a Rússia foi suspensa do G8, o grupo dos oito países mais industrializados.

“Está previsto que os restantes países, os sete mais importantes, se reúnam sem a Rússia”, tinha dito Laurent Fabius já esta manhã à rádio Europe-1. Agora, depois do discurso de Vladimir Putin, a porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Caitlin Hayden, anunciou a convocatória da reunião, que deverá realizar-se à margem da cimeira nuclear marcada para Haia. O G7 inclui os Estados Unidos, a Alemanha, o Reino Unido, Canadá, França, Japão e Itália. A Rússia devia ser a anfitriã, em Junho, da próxima cimeira do G8 em Sochi.

Após o discurso do Presidente russo desta terça-feira no Parlamento em Moscovo, com que assinalou o acordo para a integração da Crimeia na Federação Russa, declarando que “a Crimeia será sempre uma parte inseparável da Rússia”, têm chovido reacções de choque do Ocidente.

“A Rússia fez a escolha do isolamento”, advertiu o ministro dos Negócios Estrangeiros britânicos, William Hague, que também falou de um G7 onde Moscovo não estaria representado. Anunciou também a suspensão de toda a cooperação militar bilateral entre o Reino Unido e a Rússia.

“Devemos preparar-nos para um novo tipo de relações entre a Rússia e o Ocidente nos próximos anos, diferente do que foi nos últimos 20 anos. Uma relação onde as instituições como o G8 funcionarão sem a Rússia, e em que se reduzirá a cooperação militar e as exportações de material militar”, avisou Hague. O caso da Crimeia foi uma “imensa provocação” de Moscovo” e existe um “risco grave de novas provocações noutros locais da Ucrânia”, considerou o ministro britânico, aludindo ao Leste do país, onde há uma maioria de população russófona.

“Os passos dados por Putin para tentar anexar a Crimeia à Rússia são uma quebra flagrante da lei internacional e enviam uma mensagem arrepiante a todo o continente europeu”, disse o primeiro-ministro britânico David Cameron. “É inaceitável que a Rússia use a força para alterar fronteiras, tendo por base um referendo fantoche, realizado sob a ameaça das armas russas”, declarou, citado pela BBC. “O Presidente Putin não deve duvidar que a Rússia enfrentará consequências mais sérias, e eu pessoalmente incentivarei a União Europeia a tomar medidas mais fortes quando nos encontrarmos na quinta-feira”, assegurou Cameron.

As sanções até agora impostas à Rússia tanto pelos EUA como pela União Europeia foram ligeiras e centraram-se em políticos, na sua maioria sem interesses fora da Rússia – portanto não têm grande eficácia. Além disso, Moscovo tem ameaçado retaliar.

"Confiscação de território"
O vice-presidente norte-americano Joe Biden está esta terça-feira na Polónia, país vizinho da Ucrânia, e não poupou palavras para criticar o rápido processo de referendo e integração da Crimeia na Federação russa. “A Rússia alinhou toda uma paleta de argumentos para justificar o que não é mais do que uma confiscação de território”, afirmou.

 A chanceler alemã Angela Merkel repetiu mais uma vez que o referendo na Crimeia violou “o direito internacional”, tal como o primeiro-ministro polaco, Donald Tusk, que frisou que “a anexação não pode ser aceite pela comunidade internacional.” François Hollande, em Paris, apelou “à adopção de uma resposta europeia forte e coordenada”.

O governo provisório de Kiev, por seu turno, não só não reconhece a integração da Crimeia na Federação Russa como anunciou que se reserva o direito de apreender propriedades russas em território ucraniano, se Moscovo aprovar a nacionalização de bens do Estado ucraniano na península da Crimeia. “A Ucrânia reserva-se o direito de tomar medidas apropriadas para compensar as suas perdas graças a bens pertencentes à Rússia que se encontrem na Ucrânia ou noutros países”, declarou o ministro da Justiça, Pavlo Petrenko, citado pela AFP.

Sugerir correcção