Inquérito mostra sentimento de que a austeridade no país é "inevitável"

61,7% dos portugueses entrevistados num estudo de opinião da Eurosondagem sentem que o resgate financeiro a Portugal “mata” mais do que “cura”.

Foto
Maioria dos inquiridos considera que as políticas de austeridade vão continuar nos próximos anos Nuno Ferreira Santos

“A austeridade mata muito mais do que cura”. Éste é o sentimento de 61,7% dos portugueses inquiridos pela Eurosondagem acerca das políticas de austeridade implementadas pela Troika. Estes resultados foram apresentados esta quarta-feira em Lisboa, durante a apresentação do livro "A Austeridade Cura? A Austeridade Mata?".

O estudo de opinião, encomendado exclusivamente no âmbito da obra coordenada por Eduardo Paz Ferreira, corresponde a um “sentimento comum anti-austeridade”, já que mais de metade dos inquiridos considera que a austeridade “afunda o país económica e socialmente”, conforme afirma o professor catedrático da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

No entanto, os sentimentos da amostra considerada dividem-se entre a inevitabilidade (42,5%) e a discordância (37,7%). Este é um resultado “impressionante”, já que espelha a “passividade” e “resignação” com que a população está a lidar com o programa de ajustamento concebido para Portugal, reagiu Eduardo Paz Ferreira, após questionado pelo PÚBLICO sobre os resultados.

No que respeita ao fim do programa de ajustamento, 63,6% dos inquiridos prevê que, mesmo com a retirada das políticas da troika, a austeridade vá prosseguir por uns anos. Estes dados de opinão surgiram na mesma semana em que a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, reafirmou que a disciplina orçamental vai ter continuar por "muitos anos".

O misto entre a convicção de que a austeridade “mata” e vai continuar é, para o ideólogo deste projecto de investigação, “pouco agradável”. Contudo 49,3% dos portugueses inquiridos “duvida da existência de propostas credíveis para lhe por fim”.

Quanto a saber de quem depende mais o abrandamento das medidas, a amostra de portugueses divide-se com uma ligeira maioria a achar que o Governo português e as suas acções prevalecem (46,4%) à “Alemanha, à troika e às evoluções exteriores” (43,2%).

Para esta análise foram entrevistados telefonicamente 1033 portugueses, com mais de 18 anos, sendo que a escolha dos lares foi aleatória. O erro máximo da amostra é de 3,05%, para um grau de probabilidade de 95,0%.

Contribuir para o debate

No livro hoje apresentado são divulgados mais de 80 depoimentos de pessoas de diferentes gerações e posicionamentos políticos, que se pronunciam sobre os efeitos da austeridade no plano económico, no domínio das finanças públicas e nas áreas sociais. Entre os testemunhos prestados estão o de Adriano Moreira, antigo líder do CDS, Eduardo Ferro Rodrigues, ex-líder do PS, Francisco Louçã, anterior líder do BE ou Teodora Cardoso, presidente do Conselho das Finanças Públicas.

“A liberdade de discussão e debate é uma condição essencial da democracia e do desenho de políticas económicas adequadas”, refere Eduardo Paz Ferreira no prefácio da obra, sublinhando esperar que o livro ajude a um debate sobre a actual situação do país.