Cavaco Silva sugere que segundo resgate se tornou mais provável nos últimos dias

Presidente da República defendeu que o sucesso do período pós-troika em Portugal depende da estabilidade política.

Fotogaleria
Cavaco Silva diz que as probabilidades de Portugal conseguir o regresso bem-sucedido aos mercados mudaram
Fotogaleria
Cavaco Silva diz que as probabilidades de Portugal conseguir o regresso bem-sucedido aos mercados mudaram Miguel Madeira
Fotogaleria
Fotogaleria

O Presidente da República mostrou-se, nesta sexta-feira, preocupado com a possibilidade de nos últimos dias se ter tornado mais provável um cenário em que Portugal não consegue obter acesso ao mercado a taxas de juro razoáveis, sendo forçado a recorrer a um segundo resgate.

Na sua intervenção inicial, esta manhã no encontro de economistas que a Presidência está a promover no Palácio de Belém, Cavaco Silva repetiu por diversas vezes que existia a possibilidade de, nos últimos dias, as probabilidades de Portugal conseguir o regresso bem-sucedido aos mercados terem mudado.

A traçar cenários para o período após a conclusão do programa de ajustamento português em Junho de 2014, o Presidente disse que ou Portugal consegue obter financiamento nos mercados a taxas razoáveis, o que era considerado ate há poucos dias a hipótese mais provável, (...) ou verifica-se a hipótese mais negativa, a que os analistas atribuíam até há poucos dias baixa probabilidade, de se verificar uma incapacidade de Portugal recorrer aos mercados.

O Presidente salientou ainda, como uma das condições para o sucesso de Portugal no período pós-troika, a necessidade de existência de estabilidade política.

No lançamento do debate, que reúne 30 economistas portugueses de diversas universidades, Cavaco disse também que o objectivo do encontro era debater a situação após o final do programa de ajustamento, independentemente do Governo que estiver em funções nessa altura.

Cavaco Silva tem gerido a crise política nos bastidores e na quinta-feira exigiu que o acordo entre o PSD e o CDS passe pela manutenção dos líderes dos dois partidos da coligação. O Presidente considera que não é viável um Governo de coligação em cujo Conselho de Ministros não se sentem os responsáveis máximos dos dois partidos.

O primeiro-ministro e o líder dos centristas estiveram reunidos para tentar encontrar uma base de acordo que mantenha o Governo. Passos Coelho esteve com Cavaco em Belém na quinta-feira à tarde e, no final, disse aos jornalistas que se comprometeu com o Presidente da República a encontrar uma solução para um Governo estável. Nesse sentido, acrescentou que irá aprofundar junto de Paulo Portas e do CDS uma forma de garantir as condições necessárias com o objectivo de procurar um reforço da solução.

A actual situação política levou também a direcção do CDS a propor o adiamento do congresso previsto para este fim-de-semana na Póvoa de Varzim, justificando que Paulo Portas ainda está a negociar com Passos Coelho.

Entretanto, o Presidente da República remeteu para a próxima segunda-feira o início das audiências com os partidos políticos , que anunciou na quarta-feira de manhã.