Obama garante todos os recursos do Governo para a reconstrução em Oklahoma

Novo balanço coloca número oficial em 24 vítimas, incluindo sete crianças.

Fotogaleria
Imagens de destruição em Oklahoma AFP
Fotogaleria
Reuters
Fotogaleria
AFP
Fotogaleria
AFP
Fotogaleria
Reuters
Fotogaleria
Reuters
Fotogaleria
Reuters

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, garantiu à população de Moore, no estado de Oklahoma, que a agência nacional de emergência e protecção civil activou várias equipas para as operações de busca e salvamento em curso no local, e que "todos os recursos" do Governo federal estão à sua disposição para a difícil tarefa de reconstrução da cidade, dizimada por um violento tornado na noite de segunda-feira.

“A população de Moore tem de saber que o país está com ela, e continuará a acompanhá-la pelo tempo que for preciso”, disse Obama, numa curta declaração ao país esta manhã na Casa Branca.

A Administração já tinha declarado o estado de catástrofe no estado do Oklahoma na segunda-feira à noite, para apressar a mobilização de meios nacionais para o local.

“Todos os lugares vazios que eram quartos e salas serão novamente preenchidos”, prometeu o Presidente, que lamentou a destruição causada pela tempestade e manifestou o seu desgosto com o número de vítimas da catástrofe,  “entre as quais crianças que procuravam refúgio no local mais seguro que conheciam”.

“Não conhecemos ainda a total extensão da destruição que ocorreu no Oklahoma”, referiu Obama, que pediu “àqueles que querem ajudar” para o fazerem junto da Cruz Vermelha ou apoiando as instituições do estado – caso de universidades ou organizações religiosas – que montaram centros de acolhimento para a população desalojada.

Entretanto, as autoridades esclareceram que até ao momento foram confirmadas 24 mortes na sequência da tempestade. Entre as vítimas estão sete crianças. O número foi revisto face às informações fornecidas às primeiras horas da manhã e que apontavam para a existência de cerca de 90 vítimas (uma fonte do centro de saúde local explicou que houve uma grande discrepância na contagem "devido à confusão" inicial).

A estação de televisão local KFOR disse que durante a noite foram resgatadas 101 pessoas que se encontravam presas nos escombros de edifícios em ruínas.

De acordo com a direcção regional de saúde, um total de 242 feridos receberam tratamento hospitalar, entre os quais 58 crianças. Os ferimentos incluíam fracturas ósseas, traumatismos musculares e lacerações. Não havia indicação de pacientes em estado considerado muito grave.

O tornado deixou um rasto de destruição em Moore, uma cidade de 41 mil habitantes nos arredores de Oklahoma City, no Sul dos Estados Unidos. 

A dimensão dos estragos ainda não está completamente avaliada, mas as descrições apontam para o que pode ter sido um dos maiores tornados de sempre, com diâmetro superior a três quilómetros e velocidades de vento superiores a 300 km/hora.

Na escala Fujita, que mede a intensidade destes fenómenos meteorológicos, o tornado foi classificado como F4, segundo estimativas preliminares, e ao final desta terça-feira o Serviço Nacional de Meteorologia revelou que em pelo menos uma área o tornado atingiu o nível F5 (o mais intenso), o que significa ventos superiores a 322 km/h.

Na análise preliminar, as autoridades americanas tinham estimado que o tornado atingira os 321 quilómetros por hora. Em entrevista à BBC, o meteorologista Rick Smith, do Serviço Nacional de Meteorologia dos EUA, afirmou: “É certamente o tornado mais poderoso com que já lidei nos meus 20 anos no serviço de meteorologia.”

A tempestade começou no domingo, dia em que se registaram dois mortos (dois septuagenários que viviam num parque de caravanas) e pelo menos 21 feridos.

As imagens mostram carros completamente destruídos e zonas inteiras cujos edifícios foram desfeitos pelo tornado. Pelo menos uma escola e um centro médico foram evacuados. 

Imagens de vídeo, publicadas no Youtube, mostram a violência dos ventos e a dimensão do fenómeno.

Em 1999, diz a Reuters, um tornado causou a morte a 36 pessoas em Moore, cidade que volta agora a ser atingida.

Joe Jolly, um habitante de Moore, disse à rádio pública que o sítio onde mora parece "uma zona de guerra": "Praticamente não tenho casa", contou: "Ainda estou em choque. Foi intenso, não sei o que dizer, foi terrível."
 

Notícia actualizada às 22h06 Acrescenta que Serviço Nacional de Meteorologia encontrou pelo menos uma zona em que o tornado atingido o nível EF-5, o mais elevado da escala.