Seguro afirma que Portugal está pior agora do que no início da crise

Líder do PS reafirma oposição ao corte na despesa do Estado e afirma que Passos Coelho está isolado face a um consenso nacional contra mais austeridade.

Seguro apresenta pacote de cinco medidas já anunciado na Assembleia da República
Foto
Seguro disse ter tido "em conta" as posições dos socialistas sobre uma moção de censura Rui Gaudêncio

No novo tempo de antena do Partido Socialista, divulgado nesta segunda-feira, António José Seguro apela a uma política de ajustamento alternativa e defende que o país se encontra hoje pior do que antes da entrada da troika e do programa de ajustamento económico: "É verdade que saímos da crise? Não é verdade, estamos pior do que antes", sustenta o secretário-geral do PS.

Referindo-se ao corte de 4000 milhões de euros na despesa do Estado, Seguro reafirma que não aceitará mais medidas de austeridade e acusa o primeiro-ministro de “incompetência” e de “estar isolado” face a um consenso dentro sociedade portuguesa de que é necessária uma alternativa.

Esta alternativa, defende António José Seguro, passa por alterar o caminho da consolidação orçamental para uma política de investimento e criação de emprego. “Este é o momento em que o Governo tem de ouvir e dar razão ao PS, há mais de um ano e meio que tenho dito que temos de ter uma estratégia credível de consolidação das contas públicas, dando prioridade ao crescimento económico e à criação de emprego”, afirma.

Na mensagem, António José Seguro reconhece que “o caminho é difícil”, vincando, contudo, que não se resigna “a este caminho de empobrecimento”.  

"Quando o primeiro-ministro diz que estamos no caminho certo isso não é só impreparação, isso é incompetência, inconsciência e falta de respeito para com os portugueses", adianta ainda o líder do PS.  

De acordo com a mensagem de António José Seguro, o consenso em torno da necessidade de uma alternativa é partilhado “desde o Presidente da Rpública aos parceiros sociais”. Quem está isolado, sustenta Seguro, é o primeiro-ministro.

Alternativas do Partido Socialista
No novo espaço de antena, o líder do maior partido da oposição avança ainda com o pacote de cinco medidas anunciado no Parlamento pelo Partido Socialista.

Entre estas propostas, Seguro realça a redução do IVA para a restauração, o aumento do salário mínimo e pensões mais baixas, e a criação de um banco de fomento que, com a utilização de fundos estruturais, possa apoiar pequenas e médias empresas.

Seguro aponta ainda para um programa de formação profissional de desempregados e para a criação de um plano de reabilitação urbana que privilegie a eficiência energética.