HSBC paga multa de 1400 milhões de euros por branqueamento de capitais

Dois bancos britânicos anunciaram esta semana o pagamento de indemnizações recorde aos EUA para encerrar processos judiciais que envolviam lavagem de dinheiro.

Os dois maiores britânicos estavam acusados de ocultar transferências para países ou entidades sancionadas
Foto
Os dois maiores britânicos estavam acusados de ocultar transferências para países ou entidades sancionadas Andrew Winning/Reuters

O maior banco europeu em valor de capitais anunciou nesta terça-feira que vai pagar 1470 milhões de euros ao Governo dos EUA como parte de um acordo para ser encerrado o processo em que é acusado de branqueamento de capitais no México e Médio Oriente.

O britânico HSBC havia sido acusado há quatro anos pela justiça norte-americana de ter alegadamente facilitado a transferência de milhares de milhões de euros para destinos alvos de sanções internacionais, concretamente cartéis mexicanos e Irão. De acordo com um relatório divulgado pelo Senado norte-americano em Julho, citado pelo Financial Times, o HSBC terá apagado detalhes que identificariam transacções bancárias para o Irão e terá ainda ignorado o risco de grande parte do dinheiro que o banco movimentava no México ter como origem o tráfico de droga.

No anúncio divulgado esta terça-feira, o director-executivo do HSBC, Stuart Gulliver, “lamenta profundamente” o comportamento do banco e afirma que a instituição “admite as responsabilidade pelos seus erros passados”. O líder do maior banco britânico diz ainda que o banco agiu durante os últimos dois anos em linha com as autoridades governamentais para descobrir e compensar os seus comportamentos passados.

A par da indeminização do HSBC, o banco britânico Standard Chartered chegou, na segunda-feira, também a um acordo para o pagamento de 252 milhões de euros às autoridades norte-americanas para encerrar um processo em que era acusado de ter violado sanções dos EUA.

Esta é a segunda indeminização que  o Standard Chartered pagou este ano. Em Agosto, acusado de ter ocultado aos EUA transacções financeiras para o Irão no valor de até 193 mil milhões de euros, o banco britânico negociou o fim do processo por uma compensação de 262 milhões de euros.