Acordo judicial

BP vai pagar 3500 milhões por maré negra no Golfo do México

Um pelicano que foi atingido por parte dos 4,9 milhões de barris de crude derramados
Fotogaleria
Um pelicano que foi atingido por parte dos 4,9 milhões de barris de crude derramados Sean Gardner/Reuters
Fotogaleria
Maré negra teve início com a explosão da plataforma Deepwater Horizon Reuters
BP vai pagar 3,5 mil milhões, batendo o recorde de maior multa nos Estados Unidos
Fotogaleria
BP vai pagar 3,5 mil milhões, batendo o recorde de maior multa nos Estados Unidos Lee Celano/Reuters
Peixes mortos no desastre de Abril de 2010
Fotogaleria
Peixes mortos no desastre de Abril de 2010 Sean Gardner/Reuters

A BP vai ter de indemnizar os Estados Unidos em cerca de 4500 milhões de dólares (cerca de 3500 milhões de euros), dando-se como culpada pelo maior desastre ambiental do país.

A BP declarou que vai pagar aquele montante ao longo de seis anos e dar-se como culpada do acidente na plataforma petrolífera Deepwater Horizon, no Golfo do México. Este acordo irá resolver todas as acusações criminais e outras queixas das autoridades reguladoras da Comissão de Valores Mobiliários contra a empresa, mas terá de ser ainda sujeito a aprovação judicial.

A BP fica, assim, com o recorde da maior multa nos Estados Unidos, ultrapassando a farmacêutica Pfizer, que em 2009 pagou 1300 milhões de dólares (mil milhões de euros) por fraude de marketing.

O acidente no Golfo do México começou com uma explosão, dia 20 de Abril de 2010, na plataforma Deepwater Horizon, 80 quilómetros ao largo de Nova Orleães, no Sul dos Estados Unidos, provocando 11 mortos. Durante 87 dias, foram libertados, a partir do poço de Macondo, ao qual a plataforma estava ligada, 4,9 milhões de barris de petróleo para as águas do Golfo do México. No processo que moveu contra a BP, o Departamento de Justiça já acusou a empresa de “uma negligência brutal e má conduta intencional”.