Greve condiciona transportes, CGTP admite mobilização "difícil"

Greve da CP no Porto
Fotogaleria
Greve da CP no Porto Adriano Miranda
Greve na Estação de São Bento, no Porto
Fotogaleria
Greve na Estação de São Bento, no Porto Adriano Miranda
Greve na Estação de São Bento, no Porto
Fotogaleria
Greve na Estação de São Bento, no Porto Adriano Miranda
Piquete de greve em São Bento, no Porto
Fotogaleria
Piquete de greve em São Bento, no Porto Adriano Miranda
Greve geral no centro do Porto
Fotogaleria
Greve geral no centro do Porto Adriano Miranda
Piquete de greve na recolha de lixo em Lisboa
Fotogaleria
Piquete de greve na recolha de lixo em Lisboa Miguel Manso

A adesão dos trabalhadores de recolha de lixo foi quase total durante a madrugada em quase todos os concelhos. O cenário é traçado pelo Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local, que apenas contou cinco cidades onde a adesão era inferior a 100%: Lisboa, Oeiras, Funchal, Gondomar, Matosinhos, Setúbal e Viana do Castelo.

O líder da CGTP reconheceu que nestes serviços a paralisação foi menor do que em greves anteriores.

O impacto da paralisação nos transportes estava, esta manhã, a provocar condicionamentos de trânsito na capital, onde a PSP registou um aumento do tráfego nos acessos a Lisboa.

O metropolitano está de portas fechadas desde ontem e só volta a abrir às 6h20 de amanhã. Os barcos da Transtejo, que operam as ligações entre as duas margens do Tejo, voltaram a funcionar a partir das 6h15, fez saber à Lusa a empresa. Apenas não havia barcos a fazer a travessia Lisboa-Trafaria.

Mas a adesão global no sector dos transportes era calculada pela Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (FECTRANS) entre os 70% e 100%.

Era este o cenário descrito à Lusa por José Manuel Oliveira, coordenador da FECTRANS ao início da manhã: “O Metropolitano de Lisboa está paralisado, a Soflusa está paralisada, a Transtejo tem apenas uma embarcação a funcionar, a Carris está na ordem dos 50% de adesão, o Metro do Porto só tem uma linha a funcionar, portanto [com uma adesão de] qualquer coisa como 90%, a Rodoviária da Beira Litoral tem uma adesão de 90%, os Transportes Sul do Tejo (TST) estão a 70% e os portos vão estar parados ao longo do dia”.

Na CP, alguns serviços mínimos não foram cumpridos ao início da manhã, por falta de comparência dos trabalhadores, denunciou a FECTRANS, sem detalhar quais as ligações que ficaram por realizar. Contactada pelo PÚBLICO, a transportadora ferroviária recusou explicações, justificando através do seu gabinete de comunicação que não prestará informações sobre a adesão à greve ou a realização das ligações da CP ao longo do dia.

Até às 8h, a adesão dos trabalhadores dos CTT era de 65,8%, abaixo da participação nas primeiras quatro horas (72,3%). Os dados apurados pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações abrangem, no entanto, vários centros a nível nacional, quando antes apenas era contabilizada a adesão nas centrais de correios de Lisboa, Porto e Coimbra. Dos 3422 trabalhadores escalados para esta quinta-feira, 2252 estavam em greve até ao início da manhã.

No princípio da manhã, Arménio Carlos fazia uma avaliação positiva da greve mas admitia que a mobilização dos trabalhadores estava a ser "difícil”, quer porque houve uma redução do seu poder de compra, quer em função do aumento do desemprego. “Esta greve não é um teste à minha liderança. Na CGTP não fazemos testes individuais. Esta paralisação é uma decisão colectiva", acrescentou o novo líder da central sindical.

À hora do almoço, Arménio Carlos voltou a falar num balanço positivo, quando passava pelo Liceu Passos Manuel, em Lisboa, fechado como muitos em todo o país por causa da greve.“Nesta altura a greve está a correr relativamente bem”, afirmou o líder da CGTP.

Por seu lado, o dirigente da Fenprof, Mário Nogueira, informou que nas escolas os níveis de adesão à paralisação serão próximos dos da anterior greve geral (Novembro), mas acrescentou ainda ser cedo para fornecer números.

A última greve geral aconteceu há quatro meses, a 24 de Novembro de 2011, também convocada pela UGT, que desta vez não se junta ao protesto.

Notícia actualizada às 14h20
Sugerir correcção
Comentar