Secretário de Estado adjunto de Passos Coelho

Carlos Moedas: “Temos de trabalhar mais na percepção externa” do programa da troika

Carlos Moedas diz que "percepção errada" da realidade pode prejudicar Portugal
Foto
Carlos Moedas diz que "percepção errada" da realidade pode prejudicar Portugal Fernando Veludo/NFACTOS

O secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro, Carlos Moedas, defendeu hoje que o Governo tem de cumprir com as metas da troika, mas tem também de trabalhar melhor na comunicação dos esforços de ajustamento e das reformas em curso.

“Temos de trabalhar na percepção externa do nosso programa, de forma a criarmos condições para o investimento e o crescimento”, afirmou o braço-direito de Pedro Passos Coelho, na conferência “Portugal: Ameaça ou Oportunidade?”, organizada pela Cunha Vaz & Associados, que decorreu hoje em Lisboa.

Carlos Moedas salientou que tanto o Governo como todos os portugueses têm de trabalhar de forma mais intensa, não só na execução do programa da troika, mas na comunicação internacional do mesmo, salientando o impacto negativo que uma “percepção errada da realidade” pode provocar.

O secretário de Estado adjunto de Passos Coelho lembrou que, no actual contexto de turbulência nos mercados, “os investidores estão menos disponíveis para análises profundas e ponderadas e para visões menos subtis”. E salientou que, em certas situações, os mercados estão mesmo a partir do princípio que Portugal está pior do que realmente está.

“Que saudades dos tempos antes da crise, em que a percepção da crise se resolvia à volta do debate sobre a marca Portugal”, recordou Carlos Moedas, dizendo que, na altura, “o campo de batalha eram as feiras e as campanhas publicitárias”. “Agora, o nosso alvo são analistas e investidores e batalhamos todos os dias no terminal da Bloomberg”, salientou, referindo-se a um dos terminais onde é negociada a dívida pública portuguesa, no chamado mercado secundário.

Sugerir correcção