Aos 51 anos

Morreu Randy Castillo, o baterista dos Mötley Crüe

Randy Castillo (1950-2002)

Faleceu na passada terça-feira (26 de Março) o baterista dos Mötley Crüe, Randy Castillo. As causas da morte não foram divulgadas oficialmente, mas supõe-se que tenham a ver com o cancro de que sofria. Castillo tinha 51 anos de idade.

Conhecido também por trabalhar habitualmente com Ozzy Osbourne, Castillo terá sucumbido a complicações resultantes dos tratamentos intensivos de quimio e radioterapia a que se submetia desde 2000, altura em que descobriu que tinha cancro. No ano passado, em Abril, Castillo chegou a anunciar que tinha vencido a doença – “Ganhei a batalha contra o grande C!, dizia animado –, mas a verdade é que acabou por piorar.

Randy Castillo descobriu a doença quando foi operado de emergência a uma úlcera no estômago, pouco tempo depois da edição do último álbum dos Mötley Crüe, “New Tattoo” (2000). Desde logo iniciou o tratamento, o que implicou ter de faltar a vários concertos da digressão que se seguiu (foi substituído pela baterista das Hole, Samantha Maloney).

Optimista, assim que recuperou, Castillo chegou a envolver-se num projecto paralelo com Mike Inez, ex-guitarrista dos Alice In Chains e colaborador assíduo de Ozzy Osbourne. Tinha também, em Los Angeles, uma banda chamada Azul, cuja sonoridade – que apelidou de mística e tribal – ficava a milhas do heavy metal dos Mötley Crüe.

A carreira de Randy Castillo (famoso pela velocidade do seu pé direito) começou em 1984, no álbum de Lita Ford “Dancin’ on the Edge”. Dois anos depois já colaborava com Ozzy na colectânea “Ultimate Sin”. Ficou na banda até 1990, altura em que participou em álbuns de homenagem a nomes como Alice Cooper, Def Leppard ou Aerosmith, até entrar para os Mötley Crüe, em 1999.

O baixista Nikki Sixx deixou uma mensagem na página oficial da banda (www.motley.com): “Era um grande baterista e uma pessoa muito atenciosa. Vamos sentir tanto a sua falta… Mas ainda voltaremos a tocar juntos um dia." Noutra nota dizia simplesmente: “Sentirei a tua falta, amigo. Adoro-te.”

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.

Nos Blogues