Carência de médicos de família e atrasos em exames complementares de diagnóstico são duas das principais causas, defende o presidente do Núcleo Regional do Norte da Liga Portuguesa Contra o Cancro. Mas o director do Programa Nacional para as Doenças Oncológicas contrapõe que os dados não corroboram esta versão.