Supremo condena IEFP a pagar 1,6 milhões a antigos formadores precários

Supremo Tribunal de Justiça obriga Instituto do Emprego e Formação Profissional a pagar subsídios de férias, de Natal e de refeição aos formadores precários regularizados no âmbito do PREVPAP.

Foto
Domingos Lopes é o presidente do conselho directivo do IEFP Nuno Ferreira Santos
Ouça este artigo
00:00
04:23

O Supremo Tribunal de Justiça tem vindo a confirmar as sentenças de tribunais inferiores que condenaram o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) a pagar os subsídios de férias, de Natal e de refeição a dezenas de formadores, pelo tempo que estiveram a recibos verdes. Nos processos já conhecidos, que envolvem cerca de meia centena de formadores de Vila Real, Viana do Castelo, Porto e Portalegre, está em causa o pagamento de 1,6 milhões de euros de subsídios, a que ainda acrescem juros de mora.

Os leitores são a força e a vida do jornal

O contributo do PÚBLICO para a vida democrática e cívica do país reside na força da relação que estabelece com os seus leitores.Para continuar a ler este artigo assine o PÚBLICO.Ligue - nos através do 808 200 095 ou envie-nos um email para assinaturas.online@publico.pt.
Sugerir correcção
Comentar