Conselho de Segurança da ONU rejeita proposta russa para proibir armas no espaço

EUA dizem que a Rússia lançou na semana passada um satélite militar no espaço e acusam Moscovo “desinformação e dissimulação diplomática”.

Foto
Robert Wood, embaixador norte-americano, levanta o braço para confirmar a oposição dos EUA à resolução Eduardo Munoz / REUTERS
Ouça este artigo
00:00
02:27

O Conselho de Segurança das Nações Unidas rejeitou uma resolução da Rússia para proibir a colocação de armas no espaço, com Washington a acusar Moscovo de ter lançado na semana passada um satélite com capacidade bélica.

A votação realizada na segunda-feira terminou com um empate a sete votos, numa divisão entre os aliados dos Estados Unidos, que votaram contra, e os apoiantes da Rússia, que votaram a favor. A Suíça absteve-se.

A resolução foi assim rejeitada, uma vez que não obteve os nove votos necessários, tal como tinha acontecido a uma proposta semelhante, apresentada pelos EUA e pelo Japão no mês passado, que pretendia banir armas de destruição maciça no espaço.

“O ponto culminante da campanha russa de desinformação e dissimulação diplomática é o texto que temos diante de nós”, disse o vice-embaixador dos EUA junto das Nações Unidas, Robert Wood.

Os EUA acusaram a Rússia de quererem colocar armas no espaço e, citando informação confidencial, disseram que Moscovo lançou na semana passada um satélite com capacidade militar.

O embaixador da Rússia na ONU negou que o país esteja a tentar enganar o mundo. Apoiado por vários países, incluindo a China, Vassili Nebenzia classificou a votação como “um momento único de verdade para os nossos colegas ocidentais”.

“Se não conseguirem apoiar [esta resolução], estarão a demonstrar claramente que a sua principal prioridade continua a ser manter o caminho livre para acelerarem a militarização do espaço exterior”, disse o diplomata russo.

Em 1967, seis anos depois da União Soviética e de os Estados Unidos terem enviado pessoas para o espaço, os dois países e o Reino Unido assinaram um tratado a declarar o espaço exterior como um bem comum global que só poderia ser usado para fins pacíficos.

“Essa medida foi importante para a prevenção de conflitos”, disse Paul Meyer, antigo embaixador do Canadá para o desarmamento e membro do Outer Space Institute, com sede em Vancouver.

O tratado tornou-se ainda mais importante, defendeu Meyer, à medida que um número crescente de nações chegou ao espaço. Cerca de uma dezena de países tem capacidade para lançar naves espaciais e cerca de 80 têm satélites próprios, assim como empresas privadas.

Tudo isto poderá estar em risco em caso de um conflito militar no espaço, que poderia desactivar os sistemas vitais dos quais dependem milhões de pessoas em todo o mundo, alertou o ex-diplomata.

“Temos esta atitude negativa e conflituosa entre as principais potências espaciais que parecem mais interessadas em ganhar pontos aos seus adversários em vez de se envolverem num diálogo construtivo”, lamentou Meyer.

Sugerir correcção
Ler 5 comentários