Alemanha e EUA desmantelam rede russa de espionagem informática

Berlim revelou que, nos últimos dois anos, os ataques se centraram em informações sobre a orientação político-estratégica alemã em relação à Rússia e nas entregas de material militar à Ucrânia.

Foto
Grupo de hackers APT28 está activo há 20 anos Kacper Pempel
Ouça este artigo
00:00
01:38

O Ministério do Interior da Alemanha anunciou este sábado que as forças de segurança realizaram uma operação contra uma rede russa de espionagem informática, numa iniciativa liderada pelos Estados Unidos.

O grupo de piratas informáticos APT28 terá instalado malware (software destrutivo) em centenas de postos de acesso à Internet (routers) em escritórios e residências particulares em nome da Directoria Principal do Alto Estado-Maior General das Forças Armadas da Federação Russa (GRU), o serviço de inteligência militar russo.

A rede terá sido usada como plataforma global de espionagem cibernética, de acordo com um comunicado da agência de segurança norte-americana FBI.

“Sabemos quais os instrumentos que o regime criminoso russo utiliza”, disse a ministra do Interior alemã, Nancy Faeser.

O grupo de hackers APT28 está activo em todo o mundo desde pelo menos 2004 e o Ministério do Interior alemão considera-o um dos grupos criminosos informáticos mais activos e perigosos do mundo.

De acordo com o FBI, os piratas informáticos usaram o malware para atacar os routers que usavam senhas de administrador padrão que eram de uso público.

O Ministério alemão acrescentou que o grupo de hackers também utilizou infra-estrutura internacional para atacar alvos alemães nos últimos dois anos.

“Os ataques centraram-se em informações sobre a orientação político-estratégica da Alemanha em relação à Rússia e no apoio às entregas de material militar à Ucrânia”, informaram as autoridades alemãs, acrescentando que outros países da União Europeia e da NATO também foram afectados.

Segundo o FBI, os alvos das actividades de espionagem eram governos, militares, agências de segurança e empresas dos Estados Unidos e de outros países.

Sugerir correcção
Comentar