Pilar del Río esta terça-feira no segundo aniversário do Encontro de Leituras

A Intuição da Ilha. Os dias de José Saramago em Lanzarote em discussão no clube de leitura do PÚBLICO e da Folha de S. Paulo no Zoom a 13 de Dezembro, às 22h (19h em Brasília).

Foto
Pilar del Río em Lanzarote fotografada em 2011 MANUEL ROBERTO / PUBLICO

No Encontro de Leituras de Dezembro, o último deste ano em que se comemorou o centenário do nascimento de José Saramago, a convidada do clube de leitura do PÚBLICO e do jornal brasileiro Folha de S.Paulo é a jornalista e tradutora espanhola Pilar del Río, que é desde 2010 cidadã portuguesa e vive em Lisboa.

A também "presidenta" da Fundação José Saramago é a autora da obra A Intuição da Ilha. Os dias de José Saramago em Lanzarote, editado em Portugal em Agosto passado pela Porto Editora e no Brasil pela Companhia das Letras.

A sessão do Encontro de Leituras onde se discutirá este livro acontece a 13 de Dezembro às 22h de Lisboa (19h de Brasília) no Zoom, aberta a todas as pessoas que queiram participar. Pode aceder através deste link ou inserir o ID da reunião 863 4569 9958 (senha de acesso 553074).

Memórias

Logo no início de A Intuição da Ilha, Pilar del Río recorda que no dia 24 de Abril de 1992 o escritor José Saramago recebeu na sua casa em Lisboa o jornalista do PÚBLICO Torcato Sepúlveda (1951- 2008). No dia seguinte, o jornal traria a notícia de que “o Governo de Cavaco Silva tinha eliminado um livro de José Saramago escolhido por três instituições culturais para representar a nova literatura portuguesa na Europa”.

Tratava-se do romance O Evangelho segundo Jesus Cristo e seguiu-se a polémica e o debate nacional e internacional sobre a decisão. “José Saramago sentiu vergonha do cerrar fileiras por parte do Governo do seu país com a decisão absurda de um dos seus membros. Foi então que expressou por palavras a ideia da ilha: ‘E se fôssemos viver para Lanzarote?’ Uns meses antes, José Saramago tinha visitado Lanzarote. Conheceu a ilha pela mão de uns cunhados que ali viviam e descobriu o silêncio dos vulcões ao cair da tarde”, conta Pilar del Río neste seu livro que tem tradução de Sérgio Machado Letria.

Além dos textos onde Pilar recorda o quotidiano de José Saramago em A Casa, a vivenda onde o casal viveu entre 1992 e 2010 em Lanzarote, nas ilhas Canárias, com os seus cães Greta, Pepe e Camões, a família e os amigos que ali os visitavam (Sebastião Salgado, Susan Sontag, Ernesto Sábato, María Kodama, Carlos do Carmo, etc.), A Intuição da Ilha tem gravuras feitas por Juan José Cuadrado e inclui, em extratexto, fotografias do arquivo da Fundação José Saramago e a reprodução da Carta Universal de Deveres e Obrigações dos Seres Humanos.

O poeta e biógrafo de José Saramago e professor de Literatura espanhola Fernando Gómez Aguilera, que assina o prefácio, considera que Pilar del Río “dá forma cintilante à épica quotidiana de Saramago em Lanzarote, enquanto compõe um hino à cultura da hospitalidade praticada em sua casa, onde o partilhar se cinzelou com os caracteres de uma lei”.

O autor de Ensaio sobre a Cegueira, lembra Gómez Aguilera, dizia que ter ido viver para Lanzarote foi uma das melhores coisas que lhe sucederam na vida.

Foto
Pilar del Río quando abriu em 2011 A Casa e a Biblioteca José Saramago ao público em Lanzarote Manuel Roberto

Um livro para amigas e amigos

Numa destas crónicas, Pilar explica a razão pela qual quis escrever este livro. “A obra de José Saramago pode encontrar-se nas casas dos leitores, em bibliotecas ou em livrarias de todo o mundo. Cada leitor constrói o autor e mantém com ele, ou com ela, a sua própria relação. Este livro não pretende interferir na relação entre quem lê e o autor, simplesmente conta detalhes da passagem do escritor pela ilha que escolheu para viver até ao último suspiro, se é que os autores alguma vez deixam de respirar: há pessoas que dizem sentir nas bibliotecas organizadas com amor um certo murmúrio que bem poderia ser o pulsar dos escritores”.

Considera-o um livro para amigas e amigos que tem como missão “continuar a respiração que se sente na biblioteca de A Casa e partilhá-la.”

É também dessa partilha que se faz o Encontro de Leituras, que junta leitores de língua portuguesa uma vez por mês e discute romances, ensaios, memórias, literatura de viagem e obras de jornalismo literário na presença de um escritor ou especialista convidado. É moderado pela jornalista Isabel Coutinho, responsável pelo site do PÚBLICO dedicado aos livros, o Leituras, e pelo jornalista da Folha de S. Paulo Eduardo Sombini, apresentador do Ilustríssima Conversa, podcast de livros de não-ficção.

O evento, que neste mês de Dezembro comemora o seu segundo aniversário, discute romances, ensaios, memórias e outras obras na presença de um escritor ou um especialista convidado e reúne leitores de língua portuguesa de diversos países. Os melhores momentos de cada sessão podem ser ouvidos no podcast Encontro de Leituras.

O podcast do Encontro de Leituras está disponível no Spotify, Apple Podcasts, SoundCloud ou outras aplicações para podcasts.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários