“Nesta praia lê-se Saramago” e outras alegrias que 2022 trouxe a Pilar del Río

A presidente da Fundação José Saramago acredita que as comemorações do centenário contribuíram para sedimentar a ideia de que o escritor português é um clássico contemporâneo. E um autor universal.

Foto
Pilar del Río contribuiu para o legado das comemorações do centenário com um livro, A Intuição da Ilha Matilde Fieschi

As comemorações do centenário do nascimento de José Saramago iniciaram-se há exactamente um ano. Desde então, centenas de manifestações (exposições, concertos, espectáculos de ópera, teatro e dança, congressos e conferências) tiveram lugar um pouco por todo o mundo, e estenderam-se, claro, a Lanzarote, à agora casa-museu do escritor, com leituras, música e, esta quarta-feira, visitas guiadas durante todo o dia. Nos últimos dias, e também neste mesmo 16 de Novembro em que cumpriria cem anos, o Nobel da Literatura português será homenageado da Cidade do Panamá a Nicósia, de Nápoles ao Piauí, de Atenas a Rabat, de Bucareste a Utrecht. E também em Lisboa.

Sugerir correcção
Ler 5 comentários