Carol Leigh (1951-2022), a mulher que inventou o termo “trabalho sexual”

Prostituta e feminista, artista e activista, a norte-americana Carol Leigh foi uma figura importante da luta pelos direitos do trabalho sexual em São Francisco desde a década de 1980.

Foto
Enquanto artista, Carol Leigh tornou-se conhecida pelas performances enquanto Scarlot Harlot pjstarr/CC Flickr

Poucas questões serão tão divisivas dentro dos feminismos — tal como na sociedade em geral — como o fenómeno da prostituição. Historicamente, os movimentos de mulheres olharam para a prostituição como uma das formas mais sublimadas da opressão patriarcal. No início da década de 1980, Carol Leigh insurgiu-se contra esta visão das prostitutas como meras vítimas, sem capacidade de agência, e quis trazer os direitos para a conversa: prostituta e feminista, insistiu no termo “trabalho sexual”, que marca ainda hoje uma outra forma de abordar o fenómeno. Através do activismo e também do humor, através da sua persona artística Scarlot Harlot, ajudou a quebrar tabus e a trazer as perspectivas das trabalhadoras do sexo para o debate.

Sugerir correcção
Ler 2 comentários