Está aberta a rota para uma arquitectura do bacalhau e de outros peixes

O arquitecto e investigador André Tavares iniciou em Portugal uma linha de pesquisa que tenta perceber a relação entre a ecologia marinha, o peixe, e a arquitectura. O primeiro livro está aí.

cultura,bacalhau,culturaipsilon,arquitectura,livros,pescas,
Fotogaleria
Armazéns Frigoríficos da CRCB, Massarelos, Porto, 1937-1939 Cortesia Museu Municipal de Etnografia e História da Póvoa de Varzim
cultura,bacalhau,culturaipsilon,arquitectura,livros,pescas,
Fotogaleria
Venda ambulante de peixe em carros-peixaria e roulottes SAPP, Lisboa, 1965 Cortesia Arquivo Direcção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos
cultura,bacalhau,culturaipsilon,arquitectura,livros,pescas,
Fotogaleria
Portugal Cove, Terra Nova, c. 1880-1884 Fotografia atribuída a Simeon H. Parsons, cortesia Memorial University of Newfoundland

Nos últimos anos, o arquitecto e investigador André Tavares calçou umas galochas, vestiu um impermeável e subiu ao cesto da gávea para perceber, na vastidão do mar, se era possível uma história da arquitectura que a cruzasse com o oceano mas, sobretudo, com os seres marinhos que o habitam. Acabado de aportar às livrarias, o livro Arquitectura do Bacalhau e de Outras espécies carrega nos porões os resultados das primeiras incursões por mares pouco ou nada navegados, entre nós, abrindo novos horizontes para a compreensão de uma actividade, a arquitectura, que, garante ele, está longe de se esgotar na terra firme onde assenta alicerces.

Sugerir correcção
Ler 2 comentários