Dá para ser ambientalista sem ser anticapitalista?

Eis a salganhada da esquerda radical em todo o seu esplendor – o planeta só se vai endireitar no dia em que a revolução chegar. Acreditem em mim, jovens estudantes: não vão nisso.

Tempos houve em que o ambientalismo era uma causa conservadora, porque aquilo que estava em causa era – lá está – conservar. Eram os anos em que o monárquico Gonçalo Ribeiro Telles se impunha como a figura maior do movimento ecologista português, e o secretário de Estado do Ambiente Carlos Pimenta mandava bulldozers demolir as construções clandestinas da Arrábida, da Lagoa de Albufeira ou da Ria Formosa, para horror dos seus “proprietários”, que se manifestavam em frente às câmaras da RTP. Isto foi em 1986/87, nos primeiros governos de Cavaco Silva, era eu um adolescente, mais ou menos da mesma idade que os adolescentes que agora se manifestam pelo clima na escola António Arroio ou no Liceu Camões.

Sugerir correcção
Ler 88 comentários