Nuno Coelho: As orquestras devem servir para criar uma sensação de pertença

Nuno Coelho tem feito um percurso internacional invejável. Assume esta temporada o cargo de director artístico e maestro titular da Orquestra Sinfónica do Principado das Astúrias.

Foto
Maestro Nuno Coelho fotografado na Fundação Gulbenkian Nuno Ferreira Santos

Vencedor do Concurso Internacional de Direcção de Orquestra de Cadaqués, em 2017, o maestro Nuno Coelho (Porto, 1989) tem feito um percurso internacional invejável e diversificado, assumindo esta temporada o cargo de director artístico e maestro titular da Orquestra Sinfónica do Principado das Astúrias (OSPA). Foi também vencedor do Concurso de Direcção do Prémio Jovens Músicos da Antena 2, Dudamel Conducting Fellow com a Filarmónica de Los Angeles, maestro assistente da Orquestra Filarmónica da Holanda e Conducting Fellow do Festival de Tanglewood, dirigiu um concerto com Bernard Haitink e a Orquestra Sinfónica da Rádio da Baviera, entre inúmeras colaborações com grandes orquestras internacionais. A pretexto do espectáculo que criou para o centenário de Saramago, nos dias 17 (às 20h) e 18 (19h) na Fundação Calouste Gulbenkian, o Ípsilon conversou com o músico que, pouco depois de ser bolseiro daquela instituição para estudar direcção em Zurique, se tornou maestro convidado da própria Orquestra Gulbenkian, e que, aos 33 anos, expõe ideias muito claras sobre o papel das orquestras e as mudanças necessárias para a aproximação das instituições aos seus públicos.

Sugerir correcção
Comentar